Nanah Pauvolih: O segredo de um sucesso

Créditos: Divulgação

Victor Hugo Cavalcante Silva: Primeiramente a gente agradece por mais uma vez nos dar a honra de uma entrevista, e gostaria de começar com a seguinte pergunta: Você está lançando o livro físico Duplamente Ferida da aguardada continuação da Série Segredos. Afinal como surgiu a ideia de escrever mais um livro de romance erótico?

Nanah Pauvolih: Oi, Victor. Eu que agradeço o convite. Eu estou sempre escrevendo romances, em geral eróticos. É o que sei fazer melhor e amo. Geralmente acabo um livro e já começo outro.

Victor Hugo Cavalcante Silva: Em quantos livros se dividem a Série Segredos que conta a história do relacionamento de Theo Falcão e Eva?

A Série Segredos se divide em 06 livros, mas só os dois primeiros contam a história de Theo e Eva: Ferida e Duplamente Ferida. É a saga de uma família e cada livro corresponde a um irmão diferente. Seduzida conta a história de Micah Falcão, Rendida é sobre Pedro e Heitor. O último livro, Do meu Jeito, conta o início de tudo com o pai deles, Mário Falcão.

Victor Hugo Cavalcante Silva: Você já está pensando/escrevendo sobre o próximo livro a ser escrito? Se sim, o que as Nanetes podem esperar dele?

Os da Série Segredos estão prontos, com exceção do último. Estou escrevendo uma história nova chamada O Dia em que você chegou e estou postando de graça no Wattpad. Em breve será lançado na Amazon em formato e-book e depois negociado com editoras.

Victor Hugo Cavalcante Silva: Somente em e-book no Kindle você já lançou 28 livros (29 se contarmos o livro A Coleira que contém trechos em áudiobook), afinal, como é poder chegar nesta marca incrível de histórias e ainda continuar um grande sucesso com as Nanetes?

Eu acho que é muito amor por meu trabalho, muita dedicação e a busca por histórias sempre diferentes e ricas. Trato meu público com todo carinho e recebo deles muito carinho também. Acaba virando uma troca. E acredito que gostem do meu trabalho, por isso acompanham.

Victor Hugo Cavalcante Silva: Você esperava que fosse tomar gosto e continuar publicando mais livros na categoria Romance Erótico mesmo depois do sucesso estrondoso da Série Redenção?

Eu sempre escrevi romances eróticos, então é natural para eu continuar, independente se um livro vai para editora ou não. Amo mesmo fazer isso.

Victor Hugo Cavalcante Silva: Em seus livros você costuma usar alguma característica de personagens de uma série para escrever outras séries ou você cria as características de cada personagem do zero?

Crio do zero. Quanto mais tiver personagens diferentes, com suas próprias características, melhor. É muito cansativo ver esse tipo de repetição.

Victor Hugo Cavalcante Silva: Para você enquanto escritora, os e-books são uma espécie de teste para ver se compensa publica-los fisicamente? Por quê?

Não. Para mim os e-books são uma forma de ganhar dinheiro também e viver do meu trabalho como escritora. Tanto e-books quanto os físicos recebem toda minha dedicação e o meu carinho. E quanto mais eu vendo, mais compensa para uma editora investir.

Victor Hugo Cavalcante Silva: Falando um pouco sobre o A Coleira que contém trechos em áudiobook, como foi fazer esta estreia? Pretende lançar algum dia outro áudiobook e por quê?

A Coleira foi o meu primeiro gostinho como escritora, pois foi o primeiro livro que mostrei ao público, então sempre será especial. Sim, vou lançar mais áudiobook em breve.

Victor Hugo Cavalcante Silva: Existe alguma fórmula mágica para fazer sucesso na categoria romance-erótico? Quais dicas você daria para quem quer escrever estes tipos de livros?

Se tem fórmula eu não sei. Acho que o ideal é gostar de escrever esse estilo e criar a própria marca. As dicas que sempre dou são que o escritor se dedique, trabalhe com afinco, tente melhorar e explorar diversos caminhos dentro do gênero, não se limite. Eu entendo que a liberdade deve ser aproveitada, do meu jeito. Cada um pode fazer isso como quiser.

Victor Hugo Cavalcante Silva: Sendo autocrítica existe algum livro/série de livro lançado que se fosse escrito/pensado hoje você talvez não fizesse ou mudaria algum aspecto?

Nenhum. Sempre me dedico tanto, mergulho na história, que acho que meus livros são como tinham que ser, pois quando foram escritos refletiram o melhor que eu podia fazer. Tenho orgulho de todos eles.