Quem tem arritmia corre risco de vida?

by wendson

Cada batimento cardíaco que sentimos é o resultado de um complexo sistema elétrico em nosso coração, responsável por fazer as câmaras cardíacas se contraírem e bombear o sangue por todo o corpo. A arritmia ocorre quando esse sistema apresenta falhas, causando batimentos irregulares, muito rápidos, lentos ou mesmo uma combinação desses.

A pergunta que muitos se fazem é: ter arritmia significa correr risco de vida? A resposta para essa questão não é simples, pois a arritmia é uma condição que abrange diversas categorias e gravidades.

Aqui vamos explorar os diferentes aspectos dessa condição, incluindo quando pode ser necessário um tratamento mais invasivo, como a cirurgia de ablação.

O que é arritmia?

arritmia
Quem tem arritmia corre risco de vida? 4

Arritmia refere-se a qualquer alteração no ritmo normal do coração, sendo causada por uma disfunção no sistema elétrico cardíaco. Pode manifestar-se como batimentos muito rápidos (taquicardia), muito lentos (bradicardia) ou irregulares.

Nem todas as arritmias são perigosas, mas algumas podem ser sinal de problemas cardíacos sérios e podem levar a complicações.

Tipos de arritmia e seus riscos

Existem diversos tipos de arritmias, sendo algumas mais comuns e outras mais raras. A fibrilação atrial, por exemplo, é uma das mais comuns e ocorre quando os átrios do coração batem de forma desordenada.

Já a taquicardia ventricular é um tipo mais sério e pode ser potencialmente fatal se não tratada. O risco associado a cada arritmia depende da sua natureza, de sua duração e da saúde cardíaca do indivíduo.

Sintomas associados e diagnóstico

Os sintomas da arritmia variam. Algumas pessoas não apresentam sintoma algum, enquanto outras podem sentir palpitações, tontura, falta de ar ou dor no peito.

Em alguns casos, a arritmia pode ser descoberta em exames de rotina, como o eletrocardiograma. Em outros, o diagnóstico vem após a investigação dos sintomas apresentados pelo paciente.

Tratamentos disponíveis

Existem vários tratamentos disponíveis para arritmias, desde medicamentos até procedimentos médicos mais complexos. A cirurgia de ablação, por exemplo, é um procedimento minimamente invasivo que visa destruir a área do coração que está causando a arritmia.

Utiliza-se calor ou frio para criar pequenas cicatrizes no tecido cardíaco, o que pode interromper os sinais elétricos anormais. Este procedimento é especialmente útil para tratar arritmias que não respondem bem a medicamentos.

Prevenção e cuidados

Manter um estilo de vida saudável é crucial para prevenir arritmias e outras doenças cardíacas. Uma dieta equilibrada, prática regular de exercícios, evitar o consumo excessivo de álcool e café, não fumar e controlar o estresse são medidas que podem auxiliar na prevenção.

É fundamental, também, realizar check-ups regulares, principalmente se houver histórico familiar de doenças cardíacas ou se apresentar algum sintoma.

O coração é um órgão essencial e, como tal, precisa ser cuidado com atenção. A arritmia, embora muitas vezes não apresente riscos imediatos, pode ser sinal de que algo não está bem.

Consultar um especialista, entender a natureza da arritmia e seguir as recomendações médicas são passos vitais para garantir um coração saudável e uma vida longa e plena. Ao primeiro sinal de irregularidades, não hesite: procure orientação médica. A saúde do seu coração merece prioridade.

You may also like

Todos os direitos reservados