Cinco medidas simples e transformadoras para escolas que desejam mudar a forma de ensinar usando a tecnologia

Créditos: Divulgação

Em 2019 começa um novo ano letivo, já pensou em transformar as aulas de informática da sua escola e usar ferramentas gratuitas e disponíveis para ampliar a aprendizagem educacional?

Mesmo para algumas escolas que ainda não estão com o pé na inovação tecnológica educacional, é possível adotar medidas simples, colaborativas e interativas em sala de aula, aproveitando recursos e ferramentas de gigantes da tecnologia como Google, Microsoft e Apple, que oferecem uma série de recursos gratuitos para educação.

Reconhecemos que nem sempre é fácil fazer a implantação sozinho, mas identificando entre professores e alunos, habilidades em tecnologia, é possível promover uma verdadeira transformação.

E acredite! Você pode começar sozinho, observe as dicas abaixo e mãos à obra:

  1. Converse com os professores e alunos que gostam de tecnologia e inovação, promova rodas de conversa e reuniões direcionadas para este tema, que podem revelar surpresas e os primeiros líderes serão formados para avançar com a ideia;
  2. Celular em sala de aula: De forma orientada é possível usar o dispositivo para consultas e até conversas em conferência com outras escolas e institutos de pesquisas. Dedicar uma aula na exploração dos recursos do celular pode ser bastante atraente e vai abrir espaço para novas interações;
  3. Vamos pensar na sala de informática? Que tal mudar o ambiente? A disposição de mesas e cadeiras de forma circular e espaçada já cria um novo ambiente, mas consultar um profissional para elaborar um projeto inédito, pode ser renovador. Há propostas no mercado atraentes, de custo acessível, confortável e colorida com o objetivo de atrair ainda mais a atenção dos alunos, além de criar um diferencial competitivo para a escola;
  4. Como criar aulas dinâmicas e divertidas na sala de informática? O primeiro passo é contar com a ajuda de professores e alunos que são feras no assunto e que já dominam ferramentas colaborativas. Depois, é só aplicar o uso da ferramenta a uma disciplina. Existem vários exemplos, desde o Excel, planilha de dados, até o Skype e o Hangouts para comunicação e conferência de voz e imagem. Ao invés de ensinar como funciona a ferramenta, se o professor mesclar o conhecimento da disciplina diretamente na ferramenta o aprendizado se torna intuitivo.
  5. Finalmente, mais uma dica que vai mudar a rotina dos alunos. Que tal propor um projeto de construção no Paint 3D, ferramenta de edição e desenho, capaz de enlouquecer qualquer criança e de diferentes idades. Se na escola tem um professor ou aluno que domina a ferramenta, ambos podem ensinar a ferramenta para outros alunos, mas com a proposta de criação de um projeto que impacte no meio comum ou no ambiente. É possível, mas é preciso começar.

Finalmente, se os primeiros passos foram realizados com sucesso, pense sobre o melhor momento de buscar uma consultoria especializada e elevar o nível dos processos de aprendizagem de sua escola. Há diferentes plataformas, inclusive com etapas de certificação para professores que conferem autoestima e novas oportunidades de aprendizado também para os docentes.

Tente inovar, você vai se surpreender.

Danielle Andrada é fundadora e diretora da Eduinfo, graduada em Comunicação Social pela Faculdades Metropolitanas Unidas, cursou MBA em Marketing pela FGV. Com mais de 20 anos de experiência em gestão de negócios, abriu mão de tocar os negócios consolidados da família para empreender, e descobriu a paixão pela educação onde fundou a Eduinfo, dedicada ao setor de educação atuando com tecnologia educacional e projetos de arquitetura para ambientes de educação.

Curiosa e não se cansa de buscar informações em todo o mundo participando dos eventos nacional e internacional. É membro de comunidades que discutem soluções para educação e conta hoje com uma rede de mais de 50 empresas parceiras dentro e fora do Brasil. Atuando em rede criou conexões importantes como os gestores da área de educação, acadêmicos e formuladores de políticas públicas contribuindo ativamente com essa comunidade através da disseminação de práticas inovadoras, recursos tecnológicos e com estudos do redesenho dos espaços físicos e do mobiliário escolar para comportarem as novas metodologias de aprendizagem.