A líder

Créditos: Danii Scher

Conta-nos o autor que Brites de Albuquerque, esposa de Duarte Coelho, primeiro capitão donatário da Capitania de Pernambuco é um desses pilares que estruturaram o nosso País. Nascida em berço de ouro, Brites chegou a Pernambuco em 9 de março de 1535, acompanhada de seu marido, instalando-se então na Capitania. Muito jovem e habituada ao conforto da corte, Brides teve a coragem para aventurar-se em terra distante e primitiva e por ela lutar. Junto às praias de areia cristalina beijadas pelas ondas, onde floria o vermelho do pau-brasil, havia também selvagens imprevisíveis, mercenários e os franceses à espreita.

Por volta de 1553, por ocasião do retorno do seu marido à Portugal, acompanhado dos seus filhos, Dona Brites assume temporariamente o governo da capitania, porém quando da sua morte um ano depois ela assume o comando de modo definitivo.

Dona Brites adotou a terra pernambucana como sua pátria e por quase meio século acompanhou de perto a vida da capitania que viu nascer, desde os primeiros, difíceis e atribulados anos até a expansão verde dos canaviais, e o florescer dos coqueiros que seu marido introduziu no Brasil e que deram nova fisionomia às praias pernambucanas.

Certamente tratava-se de uma mulher líder, superinteligente e ambiciosa que soube fazer uma estratégia para vencer e desenvolver de modo superior a si mesma e o seu ambiente próximo. Realiza então o seu projeto pessoal, a sua liberdade e os seus negócios em uma região selvagem que a acolhe e que ela consegue estruturar.

Dona Brites é conhecida como a mãe dos pernambucanos, aquela inteligência que trouxe progresso e robustecimento à capitania que mais se desenvolveu naquele período.

Uma brava mulher!

Alice Schuch, escritora, palestrante, doutora e pesquisadora do universo feminino.