Os desafios e a importância da implementação de ações de ESG em pequenos negócios

Créditos: Divulgação

Muito se fala sobre como padrões de sustentabilidade e de governança podem trazer mais competitividade e solidez às grandes empresas.

As práticas de ESG (Environmental, social and corporate governance), ou melhores práticas ambientais, sociais e de governança, em tradução livre, são grandes aliadas dessas companhias para ajudá-las a alcançar novos mercados e a crescer nos já existentes.

São as grandes empresas que vêm liderando a agenda dos maiores impactos gerados por iniciativas de ESG, no entanto, as empresas de menor porte também estão adotando tais movimentos no seu dia a dia, numa forma de se tornarem agentes de mudança, mesmo gerando impactos menores.

E isso vem se refletindo de forma muito positiva.

A Mostarda, agência que atua há oito anos no setor de criação e desenvolvimento de eventos, e que já realizou mais de mil projetos para empresas como Grupo Globo, Icatu, Mattos Filho, Ipiranga, Marsh, Subsea 7, entre outras, em 142 cidades brasileiras, vem aplicando iniciativas relacionadas ao ESG de diversas formas.

Primeiramente para reduzir o impacto ambiental gerado nas suas atividades e, segundo, para provocar transformações que vão muito além da sustentabilidade e que englobam transparência, ações sociais e equidade de gênero entre os colaboradores.

"Tudo se constrói com pequenos passos. O entendimento da nossa responsabilidade coletiva com a sociedade e com os recursos ambientais já induz a iniciativas em prol de uma melhoria. É verdade que as pequenas e médias empresas possuem já muitos desafios no contexto brasileiro, mas quando passam a se perceber como agentes de mudança e que esse é um ciclo que se retroalimenta gerando mais valor para a sociedade e seus negócios, certamente irão adotar com mais empenho essas práticas." diz Caio Barreto, sócio e fundador da Mostarda.

A Mostarda é a única agência de live marketing no Brasil a aderir à implementação dos WEPs ou Women's Empowerment Principles e também à Coalizão Empresarial para Equidade Racial e de Gênero do Instituto Ethos, a fim de impulsionar a promoção da diversidade e da igualdade racial e de gênero no mercado de trabalho.

Ao firmar o compromisso de implementar os WEPs ou Women's Empowerment Principles, em tradução livre: Os princípios de empoderamento das mulheres (WEPs), a Mostarda ingressou na comunidade global de empresas que tomam medidas para alcançar um percentual equitativo de gênero, além do empoderamento das colaboradoras.

Na comunidade WEPs, o principal veículo para entrega corporativa nas dimensões de igualdade de gênero da Agenda 2030 dos ODS, a Mostarda se compromete com essa agenda nos níveis mais altos, trabalhando de forma colaborativa em redes multissetoriais para promover práticas de negócios que empoderem suas colaboradoras.

Isso inclui pagamento igualitário de salários, igualdade de cargos, além de tolerância zero contra qualquer tipo de assédio no local de trabalho.

Outro exemplo prático é a contratação de pessoas com deficiência para projetos da agência que contam, por exemplo, com massagem com deficientes visuais (Foto) ou pessoas autistas como promotores.

Durante a pandemia, a Mostarda também realizou algumas ações como uma live de arrecadação de doações, com 100% de investimento da agência, para a Casa Ronald McDonald, que apoia o tratamento de crianças e adolescentes com câncer.

A agência também aderiu ao movimento #SalveProdução, que continua apoiando produtores autônomos durante a pandemia, e ao #NãoDemita, sendo uma das poucas agências de eventos a não desligar nenhum colaborador durante o período pandêmico.

ESG: Redução de impactos ambientais também integra a agenda de ações

A Mostarda também vem pensando em ações para reduzir esses efeitos e promover consciência ambiental.

Entre as ações que a agência vem implementando, estão:

Mais de sete mil árvores plantadas em dezenas de projetos de compensação para CO2;

Mais de um milhão de copos descartáveis evitados por meio do uso de materiais reutilizáveis;

Dezenas de toneladas de lixo orgânico reciclado em eventos;

Contratação de fornecedores de itens reciclados e envio de materiais, como lonas impressas, para reciclagem, evitando o descarte indevido e sua decomposição;

Cenografia sustentável e com material reutilizável nos eventos presenciais.

Caio Barreto diz que, além da redução de impactos, as práticas sustentáveis também atraem investidores, cada vez mais preocupados com estas soluções.

"Esse é um caminho sem volta. Os maiores fundos de investimentos globais já anunciaram suas diretrizes e avaliações com base em indicadores ESG, o que demonstra uma tendência que irá se desdobrar com ainda mais intensidade para empresas de menor porte. Num futuro próximo, visualizo que as informações relacionadas a essa pauta terão um peso quase tão relevante como outros indicadores financeiros do negócio." afirma.

Para o empresário, assim como atrair a atenção de investidores, as práticas de ESG também promovem uma melhoria no clima organizacional, gerando orgulho interno e satisfação entre os colaboradores.

"Alinhar um trabalho bem feito com algo que gere valor adicional para a sociedade traz uma satisfação pessoal a todos os envolvidos. Iniciativas nesse sentido geram benefícios e, claro, ajudam no recrutamento de novos talentos. O engajamento interno aumenta e a reputação da marca se eleva." completa.

Um longo caminho a ser percorrido pelas pequenas empresas

Apesar de já ser uma realidade no mercado, as pequenas empresas, de forma geral, ainda precisam avançar no caminho de adoção de práticas de ESG.

A 10ª Pesquisa Global de Empresas Familiares da PwC indica que a responsabilidade social é considerada prioridade de negócio para apenas 15% das empresas participantes.

Em contrapartida, a expansão para novos mercados e o lançamento de novos produtos são prioridade para 55% e 50% dos participantes, respectivamente.

Esses resultados demonstram que as empresas familiares - em sua maioria, pequenas, ainda não enxergam a correlação entre a adoção de boas práticas de ESG e novas oportunidades de negócio.

Assim, integrar tais práticas mostra-se urgente e também uma jogada de valor para o negócio.

"As medidas de ESG se mostram cada vez mais importantes, assim como os clientes, investidores e parceiros estão também cada vez mais exigentes. Esse contexto provoca um aumento na relevância do impacto dessas medidas e de como as mesmas são comunicadas. A sociedade e a natureza, claro, também agradecem." conclui Barreto.