Oi Futuro e PodSim lançam evento gratuito sobre mulheres podcasters

Créditos: Reprodução/Internet

A Podsim, única produtora de podcasts do Brasil formada exclusivamente por mulheres, realiza entre os dias 23 e 25 de março a Semana Podsim, evento online e gratuito com palestras sobre produção e conteúdo a respeito da mídia falada que tem caído nas graças dos usuários de internet.

A Semana Podsim tem patrocínio da Oi com apoio do Oi Futuro.

Entre os destaques da programação estão oficinas de áudio criativo e de consciência vocal, debate sobre mídias periféricas e universo do podcast no Brasil, além de shows de artistas independentes.

A Semana Podsim será transmitida pelo YouTube da Podsim (inscreva-se no canal para ser notificado).

Nascida em 2019 no Rio de Janeiro pelas mãos de um grupo de mulheres que atua no campo da música, áudio, voz e sonoplastia, a Podsim é a primeira central de podcasts produzidos só por mulheres e também ajuda empresas e iniciativas a realizarem todas as etapas da criação de um podcast.

A produtora oferece serviços de identidade sonora, produção, edição, narração, distribuição, captação de áudio, roteiro e métricas.

A Podsim dá suporte às podcasters e também atua como rede de divulgação e curadoria de oportunidades.

No portfólio, a produtora tem oito podcasts autorais dos mais diversos temas como saúde da mulher e entretenimento, incluindo a produção do Podcast de Respeito, um projeto da Uber para conscientizar motoristas e usuários sobre temas como racismo, machismo e LGBTfobia.

"Nosso objetivo é estimular a maior participação feminina e periférica produzindo e consumindo podcasts,", comenta Luiza Sales, diretora de produção da PodSim.

Segundo pesquisa mais recente da ABPod (Associação Brasileira de Podcasters) de 2018, de 1.300 podcasts feitos no Brasil apenas 11% declaram ter mulheres na equipe.

É nesse panorama que a PodSim se insere para buscar um ajuste fino na equidade de gêneros no setor da produção de podcasts.

Ainda de acordo com outro levantamento da ABPod, de 2019, que avaliou apenas o recorte da audiência, o panorama passa a ser mais promissor: enquanto em 2018, 16% delas formavam o público ouvinte, em 2019 passaram para 27%.

Mas elas são novatas no universo dos ouvintes e isso é apontado na declaração da pesquisa de que mulheres passaram a consumir a mídia nos últimos dois anos enquanto homens declaram já ter o hábito nos últimos cinco.