A emoção e o sucesso literário de Adriana Manduco num piscar de olhos

Créditos: Divulgação

Recentemente a escritora Adriana Manduco lançou o livro Como Num Piscar de Olhos pela Editora Expressividade.

Seu surpreendente desfecho envolve o leitor em grandes emoções.

Sua história nos faz retroceder na história, entre os anos de 1883 e 1946, retratando a vida de Nana: bonita moça, romântica e sonhadora, filha de um grande fazendeiro e produtor de café, em Minas Gerais (Brasil). Quer saber mais sobre o livro e sobre Adriana Manduco? Então confira a entrevista num piscar de olhos.

Victor Hugo Cavalcante: Primeiro é um prazer poder recebê-la em nosso site, e gostaria de começar perguntando: Como surgiu a ideia da história e a oportunidade de publicar Como Num Piscar de Olhos pela Editora Expressividade?

Adriana Manduco: Olá Victor, o prazer é todo meu! Obrigada pelo seu contato. Então, durante toda minha trajetória profissional atuei na área administrativa financeira.

Decorrente disto, meus dias sempre foram corridos e repletos de compromissos: Marido, filhos, casa, trabalho, etc.

Na quarentena, devido à pandemia que vivemos, passei a viver uma situação atípica.

A reclusão em minha casa me proporcionou a oportunidade de realizar o meu sonho de escrever livros.

Com isso, resgatei o meu plano de escrita. Estou me redescobrindo! Literalmente fiz "do limão uma limonada".

A Editora Expressividade está sendo minha parceira na realização deste sonho.

Victor Hugo Cavalcante: Quais suas influências literárias (autores prediletos) e quais foram as inspirações para escrever Num Piscar de Olhos?

Sou muito eclética e gosto de ler vários gêneros literários, contudo, os escritores que transmitem mensagens voltadas para a superação, amor ao próximo e, principalmente, as passagens bíblicas, foram minhas fontes inspiradoras.

Além de Max Lucado e Augusto Cury a escritora Cora Coralina encantou-me com sua poesia e simplicidade.

Victor Hugo Cavalcante: O que podemos esperar de Num Piscar de Olhos? E qual está sendo o feedback das pessoas que já leram o livro?

A trilogia Como Num Piscar de Olhos são livros cuja narrativa é focada nos mesmos protagonistas, porém em épocas e países diferentes.

Entretanto, todas com o mesmo objetivo de transmitir uma mensagem de superação e realização de sonhos, compartilhando do ensinamento do mestre Jesus: Amor ao próximo.

O retorno está sendo muito gratificante. Recebi várias mensagens positivas sobre o primeiro livro, publicado recentemente: Como Num Piscar de Olhos (Brasil).

Este feedback para mim é maravilhoso! Procuro fazer um trabalho com muita dedicação e respeito aos meus leitores.

Victor Hugo Cavalcante: Em uma visão retrospectiva, Como Num Piscar de Olhos mescla estórias românticas e sonhadoras, narradas pela protagonista com fatos sociais importantes ocorridos durante o período da escravatura, no Brasil, e pós-guerra mundial, na França.

Para você o quão importante é esta mistura de ficção romântica com fatos reais?

Mesclar estórias com histórias é o ápice desta trilogia.

Procuro compartilhar da natureza sonhadora de Nana, a protagonista, com fatos importantes que envolvem questões sociais relevantes, como por exemplo: a abolição da escravatura, os projetos sociais para refugiados pós-guerra, perseguição cristã na Roma antiga, Alemanha durante o holocausto, etc.

Victor Hugo Cavalcante: A narrativa de Como Num Piscar de Olhos ocorre no Brasil em 1883, já o segundo livro que está em finalização é narrado na Roma Antiga no ano 117 D.C e o terceiro que será iniciado até o final do ano acontecerá, provavelmente, na Alemanha com foco no holocausto, como você decidiu por trazer estas épocas à narrativa? E como foi e está sendo o processo de pesquisa sobre tais épocas?

A escrita é realmente uma questão muito interessante e instigante. Iniciei esta trilogia com ideias e conteúdos que foram se desenvolvendo automaticamente.

É como se a estória tivesse vida própria e fosse se formando e andando naturalmente.

Durante este processo pausei a escrita em alguns episódios apenas para me dedicar aos estudos históricos ligados aos fatos de época.

Pesquisei em artigos, publicações, biografias e acontecimentos relevantes. Busquei também um maior conhecimento dos temas na leitura de obras literárias com os mesmos perfis.

O jornal O Abolicionista, a Lei do Ventre Livre, a Lei dos Sexagenários, os Caifazes, os Mártires do Coliseu, Roma Antiga, Holocausto, dentre outros, foram minha fonte de inspiração.

Victor Hugo Cavalcante: Como Num Piscar de Olhos nos faz retroceder na história, entre os anos de 1883 e 1946, retratando a vida de Nana: bonita moça, romântica e sonhadora, filha de um grande fazendeiro e produtor de café, em Minas Gerais (Brasil).

Quais as semelhanças e diferenças entre a personagem central da história e você e por quê?

Indiscutivelmente, Adriana Manduco e Nana possuem em comum o sonho de mudar o mundo. Utopia? Talvez, mas o que seria do ser humano sem o poder da esperança?

Porém, acredito que ambas se diferem quando a questão está relacionada ao Sr. Ucor, o grande amor de sua vida.

Nana protela e chega até a abrir mão de seus sentimentos amorosos. Eu, mesmo buscando os meus sonhos, não abri mão do meu grande amor e comemoro este ano trinta e três anos de casada.

Victor Hugo Cavalcante: Como já mencionado, o livro Como Num Piscar de Olhos fará parte de uma trilogia, conte-nos um pouco sobre eles.

Nesta trilogia a primeira obra foi narrada no Brasil, durante o imperialismo, finalizando na França, no período pós-guerra mundial. Nela, procuro focar questões abolicionistas e de ações humanitárias para refugiados da guerra.

O segundo livro estou finalizando a escrita e terá o seu enredo descrito na Roma Antiga, focando a perseguição aos Cristãos e massacre dos mártires no Coliseu.

O terceiro, estou em fase de estudos e será desenvolvido em cima do tema holocausto.

Victor Hugo Cavalcante: Para você enquanto escritora o que nunca pode faltar num bom livro com o mesmo gênero literário que o seu?

Com certeza um desenrolar romântico e envolvente, aliado a um ar sonhador.

Victor Hugo Cavalcante: Como surgiu sua relação com a literatura enquanto leitora e escritora?

Como leitora desde menina sempre gostei muito de estudar e de ler bons livros. Sou muito curiosa e quando tenho interesse em determinado assunto, investigo-o a fundo.

Como escritora, descobri na escrita o prazer de compartilhar e contar estórias. Estou amando esta nova experiência!

Victor Hugo Cavalcante: Quais as principais dicas que você dá para quem deseja algum dia se tornar escritor?

As frases de ordem são: "Nunca é tarde demais" e "Não desista de seus sonhos!".

Como exemplo podemos citar a trajetória literária de Cora Coralina, que escreveu o seu primeiro poema ainda jovem e teve o seu primeiro livro publicado aos 76 anos.

Esplendido!

Victor Hugo Cavalcante: Além da trilogia comentada anteriormente você já tem em mente ou rascunhado em algum lugar alguma ideia para um novo livro?

Sim, após a trilogia Como Num Piscar de Olhos pretendo continuar escrevendo As aventuras de Nana, compartilhando com os leitores estórias românticas e envolventes lincadas com temas que os levam a refletir sobre fatos importantes de nossa história.