Empresa brasileira deposita patente nos Estados Unidos que pode mudar a forma de detectar imunidade contra a Covid-19

Créditos: Divulgação

O laboratório Imunobiotech, localizado em Porto Alegre, depositou pedido de patente do ImunoScov19, teste inédito altamente preciso para a Covid-19.

A tecnologia foi desenvolvida pelo próprio laboratório, a partir de pesquisas de seu grupo de cientistas coordenado pelos cientistas Fernando Kreutz e Alberto Stein.

Devido ao impacto global desta tecnologia, o registro foi feito no United States Patent and Trademark Office (USTPO) e poderá ser estendido para outros países, inclusive para o Brasil, através do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), órgão governamental brasileiro de registro de patentes.

O registro desta patente refere-se a características dos antígenos para detectar e/ou gerar anticorpos contra o Sars-CoV-2 e métodos, ensaios e vacinas relacionados, compreendendo os mesmos.

A descoberta poderá ser fundamental também no desenvolvimento das vacinas para a Covid-19.

Recentemente vários trabalhos têm apontado que 20 a 30% dos pacientes não desenvolveriam resposta imune contra o vírus.

O que o grupo de pesquisadores brasileiros conseguiu demonstrar foi que a falta de resposta imune estaria relacionada com a forma com que a resposta imune é detectada e não com a uma falta de resposta imune dos pacientes.

Kreutz, pesquisador que participou da pesquisa, explica o procedimento adotado: "Para detectarmos a presença de anticorpos num teste, utilizamos pequenos fragmentos do vírus, o que chamamos de antígenos. A maioria dos testes utiliza uma porção muito restrita dos antígenos virais, que não representam a totalidade da resposta imune, como foi demonstrado nos estudos que levaram à nossa descoberta".

A inovação tem a capacidade de modificar o paradigma de enfrentamento à pandemia, uma vez que pode identificar indivíduos que apresentam imunidade e, portanto, poderiam retornar às suas atividades com mais segurança.

O teste pode mudar a forma de detectar imunidade contra Sars-CoV-2, o vírus da Covid-19, pois é capaz de identificar de forma mais ampla a presença de anticorpos e quantificar a presença de anticorpos tipo IgG, contra a proteína S, que é responsável pela entrada do Coronavírus nas células humanas.

"Inicialmente encontramos pacientes que tiveram a doença, mas que aparentemente não apresentavam uma resposta imune. Quando passamos a utilizar um antígeno mais completo, todos os pacientes analisados passaram a demonstrar a presença da resposta imune", ressalta Stein.

Em estudos independentes foi demonstrada a correlação significativa entre anticorpos detectados com este antígeno completo e os ensaios de neutralização, que são os testes que melhor avaliam a imunidade.

Estudos vêm apontando que pacientes que apresentam estes tipos anticorpos podem apresentar imunidade contra a doença.

O teste leva cerca de duas horas para ser realizado e o resultado fica pronto em até seis horas.

O teste imunoScov já está disponível no RS e em outros estados. Atualmente, a maioria dos testes disponíveis no mercado até então identifica se a pessoa está infectada, mas não se já adquiriu imunidade à doença.

Como funciona o exame?

O teste é realizado a partir de uma amostra de sangue, analisada em laboratório, determinando e quantificando a presença destes anticorpos que reagem contra a proteína S.

Este fator é extremamente importante, visto que a maioria dos testes imunológicos disponíveis hoje no mercado não quantificam o nível de anticorpos contra a proteína S (pois eles avaliam anticorpos contra a proteína N), e nem avaliam a possibilidade de imunidade contra o vírus.

Qual é a diferença deste teste em relação aos testes rápidos?

Os testes rápidos produzem resultado a partir da identificação de anticorpos contra a proteína N, da Covid-19.

Essa proteína encontra-se no interior do Coronavírus e sinaliza que a pessoa teve contato com o vírus, mas não dá informação sobre a imunidade contra ele, porque estes anticorpos contra a proteína N não são neutralizantes.