Canequinha estreia projeto entre MPB psicodélica e rock alternativo em Não Vai Passar (Tão Cedo)

Créditos: Divulgação

No meio de tanto caos, Canequinha sugere um momento de reflexão e realismo em uma viagem introspectiva em Não Vai Passar (Tão Cedo), seu single de estreia.

Este é o nome artístico do guitarrista, cantor e compositor carioca de ascendência pernambucana Fernando Caneca Neto.

A faixa, que faz uma ligação entre o rock alternativo e psicodélico com o cancioneiro da MPB, está disponível em todas as plataformas de música digital e ganha um clipe.

Músico experiente, Canequinha faz uma viagem sentimental na música que é transposta também no clipe, feito com imagens e fotos de arquivo.

A sensação é uma sequência de memórias que insistem em voltar nesse momento de isolamento.

"Acho que a mensagem dessa música é muito importante. O que não vai passar tão cedo? Será que o normal que queremos tanto de volta é tão bom assim? É claro que sentimos falta do abraço e da presença, mas nós como sociedade estamos fazendo nosso melhor? Ao mesmo tempo, se olharmos pela ótica do amor nada passa mesmo, carregamos conosco nossas memórias e isso na verdade é quem somos hoje. Acho que estou vendo muito a série Dark.", se diverte o artista.

Filho de pais músicos, Canequinha passou pela Escola de Música Villa-Lobos e ainda criança, participou do programa de musicalização O Passo de Lucas Ciavatta.

Mais tarde, veio a se tornar aluno do Bacharelado em Composição na UFRJ. O contato com o violão se estreitou a partir da formação das primeiras bandas, entre elas a ManoEla e a Bow Bow Cogumelo, que se tornaram projetos pessoais de longa duração.

Nos intervalos de uma extensa turnê nacional como violonista do espetáculo Cássia Eller - O Musical, o artista criou o projeto experimental EJO-Eletrojohn que juntou as referências da Tropicália à cultura do rap e música eletrônica.

Toda a experiência adquirida nos palcos, estudos, turnês e experimentos se concentram neste novo projeto do artista.

Com produção total da música, Canequinha cria uma ponte entre referências do passado e do presente como uma enchente de sensações causadas pela quarentena.

"Esse single é um fruto da quarentena, completamente. Já estava com essa vontade de me lançar em voo solo, com a pandemia e o cancelamento de todos os shows consegui concentrar minhas energias na minha música e comecei a compor bastante.", explica ele.

A faixa é uma parceria com Cacala Carvalho e Felipe Caneca e conta com as participações especiais de Magno Brito (baixo) e de seu pai Fernando Caneca (violão tenor) se somando aos outros instrumentos, todos tocados pelo artista, construindo a trilha sonora das emoções despertadas pela composição.

Não Vai Passar (Tão Cedo) está disponível em todas as plataformas de streaming de música.