Vencendo o Covid: Um relato sobre dor, fé e cura

Créditos: Anderson Bençal Indalécio (Facebook)

Martinho Lutero afirmou: "Existem três coisas que nos levam a conhecer a Deus: a Bíblia, a oração e a dor.".

Eu concordo, e a partir de experiências recentes permito-me uma análise prática desta tese:

A primeira das três coisas que te levam a conhecer a Deus exigirá iniciativa para o estudo, habilidades de interpretação e pré-disposição para vivenciar os ensinamentos ali contidos.

Ao buscarmos conhecer a Deus por meio da Bíblia temos o envolvimento de ações cujo componente primordial é o desejo.

Isto significa, de certo modo, que a possiblidade de desconfortos ao se deparar com alguns dos desejos de Deus para nossas vidas pode até existir, mas nada que chegue perto de sofrimento, aflição ou padecimento.

A segunda coisa que te leva a conhecer a Deus exigirá intimidade. Como na primeira, ela também envolverá o desejo.

Eu creio que não existe 'a forma certa de orar'.

Ao meu ver, e de muitos cristão que conheço, trata-se de um diálogo sincero, honesto e íntimo com Aquele que te conhece verdadeiramente. O teu legítimo Melhor Amigo.

A oração verdadeira, aquela que parte das profundezas do seu coração, às vezes pode até te fazer chorar.

Mas este choro é uma manifestação de como o diálogo sincero, honesto e íntimo te transforma de dentro para fora.

A coisa em si, a oração, não traz agonia, angústia e mal. Pelo contrário, ela serve exatamente para te desvincular de tudo isso.

A terceira é a maneira de conhecer a Deus mais difícil de experienciar.

Esta forma, definitivamente, não envolve o desejo. É complexo falar sobre algo que pode ser encarado como contraditório ou paradoxal.

"Se Deus é bom e nos ama, por que Ele permite a dor e o sofrimento?". Existem várias interpretações teológicas para isso, e muito provavelmente esse texto teria que se ampliar muito para poder esclarecer o sentido delas.

Mas para não me alongar muito, vou direto ao ponto. Sim, a dor faz conhecermos a Deus! Suas permissões revela-nos aquilo que por vezes passa despercebido.

Todos os livramentos, bênçãos, graças e amor que Ele nos concede diariamente, talvez, não recebem as devidas manifestações de Gratidão.

E Ele nos puni por isso? Não! Ele converte e transforma, e permite a experiência e mostra o quanto sua misericórdia, sua benevolência e seu amor são infinitos.

Na vida carnal a dor é inevitável, sofrível e angustiante. Porém, a experiência com a dor pode ser edificante, fortalecedora e transformadora. Tudo vai depender de como você a encara, a segunda opção é forma cristã de enxergar o potencial que a dor tem para nos aproximarmos do Pai. Isso tem a ver com adoração.

"Não o adoro pelo que Ele faz, eu o adoro pelo que Ele é. Haja o que houver, sempre será Deus!" (João 3:16)

Os últimos tempos estão sendo desafiadores para bilhões de pessoas em todo o planeta, e me coloco como parte de um grande grupo de pessoas que buscam respostas para vivências dolorosas.

Experiências pessoais nos últimos anos que mostram toda minha fragilidade.

Dentre algumas escolho o fato recente de meus pais serem acometidos pelo coronavírus, e assim testemunhar como as raízes da minha fé no Deus Altíssimo estão se aprofundando e se fortalecendo.

Então, eis aqui a resposta de Deus para nossas orações:

Sra. Aparecida de Andrade Bençal Indalécio; 65 anos de idade; diabética e hipertensa; dez dias de fortes dores no corpo; mal estar; idas e vindas ao hospital; nenhum sintoma típico, porém testou positivo para coronavírus após muito sofrer;

Mas A DONA CIDA VENCEU O COVID!

Sr. André Bençal Indalécio; 80 anos de idade; diabético e hipertenso; positivo para Corona Vírus; nove dias internado na UTI; enquadrado pelos médicos como um caso gravíssimo; pulmões com elevado comprometimento; chegou ao estágio crítico da doença tendo que ficar sedado na posição pronada sob uso de respirador;

Mas O SR. ANDRÉ VENCEU O COVID!

"Anderson, mas e a ciência, os médicos, os equipamentos, medicamentos?! Eles que salvaram a vida do seu pai." O Deus que eu creio é perfeito, 

Criador do céu e da Terra. Abençoou-nos com o uso da razão, com a ciência, com o discernimento e com a sabedoria.

Ele abençoa com seus dons e vocações, e coloca no caminho dos desamparados as pessoas com o preparo necessário.

Ele usa as pessoas como instrumentos da Sua Santa vontade e atende nossas orações. Simples assim!

Por fim, quero agradecer todos que oraram pela vida do meu pai. Que Deus abençoe poderosamente a sua vida e da sua família!

Que o sofrimento que tive nos últimos dias não chegue nem perto do teu lar.

Lamento pelo fato de muitas pessoas não entenderem a gravidade provocada pela pandemia, por isso faço questão de anunciar aos quatro cantos como foi doloroso para mim e minha família passarmos por essa experiência.

Apesar de ser grato pelas transformações que ela trouxe em minha vida, não desejo a nenhuma família o sofrimento que tivemos.

  • Não é uma gripezinha!
  • Se você ama, você deve proteger!
  • Respeite a vida, não são meros números!

Gratidão amigos que clamaram em oração!

Gratidão profissionais da saúde da Santa Casa de Votuporanga!

Gratidão Deus!

Sobre o autor

Anderson Bençal Indalécio é docente na empresa UNIFEV - Centro Universitário de Votuporanga, assessor pedagógico na empresa Secretaria Municipal de Educação e professor municipal de Educação Física.

Estudou mestrado em educação na instituição de ensino UFSCar e mora em Votuporanga.