Entrefolk com Rodrigo Castelhano

Créditos: Rodrigo Castelhano (Instagram)

Escrito e dirigido por Rodrigo Castelhano, que estreia no gênero drama/fantástico, mergulhando no imaginário da mente humana, Pura Ficção conta a história de Rocky, um garoto apaixonado por cinema e literatura, que vive em um mundo particular, cheio de aventuras e descobertas, o mundo da Imaginação.

Este filme é uma releitura autobiográfica da infância do diretor Rodrigo Castelhano, que com apenas nove anos de idade fugiu de casa para ser ator de cinema, mais especificamente fazer um filme com os Trapalhões, além de ser também uma obra que homenageia diversos filmes e livros que marcaram sua infância. Conheça mais um pouco do diretor do filme:

Victor Hugo Cavalcante: Primeiro obrigado por nos conceder esta entrevista e gostaria de começar perguntando: Como surgiu sua relação com projetos audiovisuais?

Rodrigo Castelhano: Nós que agradecemos o convite!

Minha história com o cinema inicia em 1985 quando eu tinha cinco anos de idade e fui pela primeira vez ao cinema com a minha avó que na época se inscreveu na rádio Farroupilha para arrumar namorado e acabou ganhando um ingresso para o cinema, e para minha felicidade eu fui o neto escolhido para ir com ela.

O filme que assistimos era do Trapalhões A filha dos Trapalhões eu fiquei encantado com tudo, e naquele dia mesmo tendo apenas cinco anos de idade eu decidi que eu faria cinema. Depois disso tudo o que pensei ou fiz foi nessa direção!

Victor Hugo Cavalcante: O filme Pura Ficção teve sua primeira exibição no dia 24 de março de 2019 em Porto Alegre. E neste sábado dia 28 de março foi disponibilizado no YouTube. Conte-nos qual está sendo o feedback do público sobre o filme até agora.

Incrível, temos recebido mensagens de parabenizarão de agradecimentos emocionados pela sensibilidade do filme dos personagens pela mensagem que o filme passa, estamos muito felizes com o retorno!

Victor Hugo Cavalcante: O filme conta com um elenco fantástico e com as participações mais que especiais de Dedé Santana, Nadya Mendes, Artur Jose Pinto, Andrea Greco, Juliana Thomaz, Michel Quevedo e Anita Dal Moro. Como surgiu a oportunidade de contar com a participação destes atores/atrizes?

Eu trabalho com arte já faz muitos anos, iniciei profissionalmente com apenas 17 anos e com 19 estava trabalhando no Rio e SP, e durante estes anos todos tive a honra e o privilegio de trabalhar com os melhores diretores, atores, produtores e com isso criar grandes amizades e parcerias o que possibilita as participações de tantos artistas renomados nas minhas produções.

Victor Hugo Cavalcante: A trilha sonora conta com músicas de Leo Casper, Jeff Mou, Leandro Alves e Dinossauros da Dingo Bells, conte-nos como foi que surgiu a ideia e oportunidade de convida-los a fazerem a trilha sonora do filme.

Tudo foi muito orgânico sempre, o Leo Casper nos conhecemos pela internet, na realidade nunca falamos pessoalmente, ele é um grande artista e foi um dos primeiros a acreditar no projeto Pura Ficção.

Já o Maninho Mello (Jeff Mou) eu conheço a mais de 10 anos, da época do Projeto Alvoroço em Alvorada, onde ele também ajudou a compor a trilha do filme Dá um Tempo!

E eu sabia que ele seria a pessoa certa para compor uma das trilhas com a sensibilidade que o filme exigia,  foi ele quem me apresentou ao produtor musical Leandro Alves que é proprietário da L&A Produções Musicais. Que inclusive também está produzindo umas das trilhas do nosso próximo longa Desumanos

Victor Hugo Cavalcante: Quais são suas principais influências cinematográficas e em que estes diretores te influenciam?

São tantas Victor, minhas referencias são muito variadas sou um apaixonado por cinema acima de tudo e por isso eu assisti de "tudo" de Mazzaropi, Teixerinha, Os Trapalhões  que de certa forma foram a minha grande inspiração junto com os filmes da Sessão da Tarde.

Mas certamente alguns dos diretores que mais serviram de referencias pra mim foram: Martin Scorsese, Francis Ford Coppola, Woody Allen, Alfred Hitchcock, Clinton Eastwood, Fernando Meirelles, Stanley Kubrick, Quentin Tarantino, o próprio Wolf Maya com quem trabalhei durante muitos anos, Steven Spielberg  que produziu e dirigiu alguns dos maiores clássicos da década de 80, entre muitos outros!

Victor Hugo Cavalcante: Pura Ficção conta a história de Rocky, um garoto apaixonado por cinema e literatura, que vive em um mundo particular, cheio de aventuras e descobertas, o mundo da Imaginação. Quais as principais semelhanças e diferenças entre o personagem principal e você? Por quê?

A principal diferença entre a infância do Rocky e a minha acredito que seja o fato dele ter vivido com o pai dele, que o educou, cuidou dele, que passou pra ele a paixão pela arte, pelo cinema pela literatura.

Eu nunca conheci meu pai, fui criado pela minha mãe com ajuda das minhas tias e da minha vó, que muito cedo nós deixamos.

E as principais semelhanças são justamente a paixão pelo cinema, a imaginação fértil e a incompreensão por parte das outras pessoas (assim como o Rocky eu sofri muito bullying na escola, nas ruas e até em casa).

Eu vivenciei muito das coisas que o Rocky vive no filme, ouvi muitas vezes a frase "filme não enche a barriga de ninguém" frase que a mãe do Rocky usa para chamar atenção dele.

Victor Hugo Cavalcante: Pura Ficção é um filme totalmente independente, gravado nos municípios de Picada Café e Nova Petrópolis, na serra gaúcha, entre os anos de 2015 e 2018 e lançado oficialmente em 2019, porque só agora foi lançado via Youtube?

A ideia do projeto sempre foi liberar ele gratuitamente para que o máximo de pessoas tenha acesso à mensagem que ele passa, mas não podíamos disponibilizar, pois ele estava sendo enviado para festivais e mostras de cinema nacionais e internacionais e muitos festivais exigem que o filme seja inédito, iriamos liberar ele em junho, mas decidimos antecipar justamente pelo momento que estamos vivendo, acreditamos que seria um bom programa para as pessoas que estão isoladas em suas casas.

Victor Hugo Cavalcante: Já está sendo gravado um novo longa intitulado Desumanos, conte-nos um pouco sobre esta novidade e se já existe alguma ideia de quando ele será lançado.

Desumanos é uma obra de drama/suspense, que mostrará os primeiros anos após o colapso do planeta terra, uma história instigante e impactante, que vai mostrar a luta de um grupo de sobreviventes isolados no meio de floresta, lutando para se manterem vivos.

O filme abordará os conflitos e questões filosóficas sobre a existência da humanidade e todo o mal que causamos ao planeta, e consequentemente a nós mesmos. E ironicamente aborda exatamente o que acontece no mundo neste momento, pois em Desumanos todos estão fugindo das grandes cidades por conta de um   vírus.

(VO) - LÍVIA - Personagem de Desumanos

Quando eu era criança eu ouvia as pessoas falando de apocalipse, pandemia, colapso global, fim do mundo, mas nunca dei muita importância, eu achei que era só uma estória...

Eu não lembro muito bem quando foi que tudo começou. Mas lembro que as pessoas foram ficando doentes e desaparecendo, tudo virou um caos, não havia mais comida, água potável, energia... Só dor, fome e morte. Os que aguentaram, tiveram que encontrar uma nova forma de sobreviver...  O mundo como conhecíamos agora não existe mais...

FADE OUT.

Victor Hugo Cavalcante: O filme Pura Ficção é uma releitura autobiográfica da sua infância, que com apenas nove anos de idade fugiu de casa para ser ator de cinema, mais especificamente fazer um filme com os Trapalhões, além de ser também uma obra que homenageia diversos filmes e livros que marcaram sua infância, porque você decidiu fazer um filme sobre algo tão pessoal?

Tenho muito orgulho da minha história, passei muita dificuldade na vida, sou um sobrevivente que foi salvo pela arte, vivi até meus 10 anos em um beco na Vila Pinto,  numa casa de 2 por 3 sem água, sem luz, em meio a pobreza, violência, drogas.

Eu e minha mãe tivemos nossa primeira TV quando eu tinha 13 anos de idade.

Eu superei inúmeras dificuldades para ir à busca dos meus sonhos, e tento passar justamente essa mensagem no filme, de que vale a pena lutar, sonhar e acreditar, não importa qual seja a distância ou  as dificuldades.