Entrefolk com Portal do Inferno

Créditos: Portal do Inferno (Facebook)

Tendo surgido como hobby por Gustavo Pavan em 2001 e cinco anos depois de um hiato se transformado em algo profissional pelas mãos de Pavan e Fernando Custódio o site Portal do Inferno traz o que há de melhor no universo do Rock e nós fomos conhecer um pouco mais dos criadores e do site.

Victor Hugo Cavalcante: Primeiro gostaria de agradecer por nos concederem esta entrevista e gostaria de começar perguntando: Como surgiu a relação dos administradores do Portal do Inferno com o gênero musical Rock e como o portal surgiu?

Portal do Inferno (Gustavo Pavan): Nós que agradecemos pela oportunidade de conceder esta entrevista.

Minha relação com o Rock vem desde pequeno, meu tio ouvia em casa, e no passar dos anos comecei a ir pra shows com os amigos dele, os quais fui pegando amizade e aprofundando cada vez mais no Rock.

Com isso, a vontade de fazer algo pelo Rock e o Metal em geral, foi crescendo, comecei a estudar guitarra, mas não tive sucesso, foi quando eu resolvi usar um conhecimento meu, que era a programação, para criar o site Portal do Inferno em 2001.

Victor Hugo Cavalcante: Como surgiu o nome Portal do Inferno?

Quando eu comecei a pensar no nome, eu pensei em criar Portal do Caos, mas não soava legal, foi ai que eu resolvi trocar o Caos pelo Inferno, muitas vezes usamos a frase "isto aqui está um inferno", porém na realidade queremos dizer que aquilo está um caos, então foi essa a interpretação que eu quis passar com o nome.

Victor Hugo Cavalcante: O Webzine Portal do Inferno foi fundado em 2001, em 2006 encerrou suas atividades e, após um hiato de cinco anos, em abril de 2011, foi reativado com muitas reformulações. Porque vocês fizeram este hiato de cinco anos? E como surgiu a oportunidade e a ideia de retornar este projeto?

Quando fundei o site em 2001, eu ainda era jovem e apenas estudava, tinha bastante tempo livre pra mexer com o site, no decorrer dos anos, comecei a trabalhar e estudar, o tempo foi reduzindo e o site foi ficando de lado, mesmo tendo vários colaboradores, esses também foram ficando com tempo curto devido aos mesmos motivos que eu.

Foi quando eu resolvi encerrar o site, e me dedicar ao trabalho. Após cinco anos, já com a vida mais estável, o Fernando Custódio, que na época era colaborador do site e mantivemos uma amizade, cogitou a ideia de reativar o site.

Fomos amadurecendo a ideia, até que o Fernando se tornou sócio proprietário do site e aqui estamos até hoje.

Victor Hugo Cavalcante: Quais são as principais diferenças do Portal do Inferno de antes do hiato para depois do hiato?

O Portal do Inferno de antes não era levado tão a sério, era apenas mais um site na internet como hobby, após a volta, decidimos que seria algo sério e mais profissional e isso abriu muitas portas para nós.

Victor Hugo Cavalcante: O intuito do Portal do Inferno é trazer ao leitor as principais notícias, fotos e coberturas dos principais eventos e festivais brasileiros, como Live 'n' Louder, BMU, e Roça 'n' Roll, além de muitos shows nacionais e internacionais. Para vocês seria possível nomear alguns dos melhores eventos que vocês já cobriram?

É difícil nomear qual foi melhor, mas podemos citar os que mais marcaram, no caso o Live 'n' Louder, BMU e Roça 'n' Roll nos marcaram muito, pois foram os primeiros eventos grande que o Portal do Inferno cobriu como imprensa, era tudo novidade, e também pela confiança que a produção teve em abrir as portas pra nós.

Victor Hugo Cavalcante: Para vocês o quanto a mídia independente está ajudando às novas bandas de rock quanto à divulgação de seu som?

A mídia independente tem um papel fundamental para as bandas que estão começando, uma banda nova dificilmente terá acesso às mídias mainstream sem pagar uma assessoria, e sabemos que todo começo é difícil, ainda mais quando o assunto é dinheiro. Ai que entra nosso papel, levar ao máximo de pessoas o conteúdo dessas bandas sem custo algum em um trabalho colaborativo.

Victor Hugo Cavalcante: Quais foram as entrevistas mais fodas que vocês já fizeram e por quê?

Acredito que a entrevista que mais me marcou foi com o King Diamond, não foi eu quem fez, foi o Luiz Henrique, um colaborador nosso, essa entrevista marcou, pois seria uma pessoa que jamais pensaríamos em ter acesso, o tempo de entrevista era de 15 minutos por telefone, a conversa se estendeu e a ligação durou 40 minutos, a atenção, a simpatia, isso marcou muito.

Victor Hugo Cavalcante: Ainda sobre as entrevistas, se pudessem fazer alguma entrevista com alguma banda/cantor de Rock quais seriam suas preferências?

Toda entrevista é bem-vinda, seja ela com bandas nacionais ou internacionais, mas duas que eu gostaria é Iron Maiden e Helloween, quem sabe um dia, né?

Victor Hugo Cavalcante: Quais os tipos de perguntas que nunca pode faltar numa entrevista da Portal do Inferno? Existe alguma pergunta chave para os artistas responderem?

Nós não temos uma pergunta chave, normalmente sempre trabalhamos as entrevistas em cima dos releases das bandas e do assunto em que a banda esteja trabalhando na época da entrevista, então as perguntas variam muito de banda pra banda, alguma coisa às vezes até dá para reaproveitar, mas evitamos, pois ai as entrevistas iriam parecer muito com algo automático, como se fosse um gerador de entrevistas.

Victor Hugo Cavalcante: Para vocês existe alguma fórmula mágica para se criar boas perguntas? Por quê?

A formula mágica para boas perguntas é o redator ter conhecimento da banda que ele esteja entrevistando, esse é o ponto chave para boas perguntas.

Victor Hugo Cavalcante: Como foi o ano de 2019 para o portal e o que podemos esperar de novidades para 2020?

2019 foi muito bom, comparando com os anos anteriores tivemos um leve crescimento, até que melhor do que o esperado, para 2020 temos algumas metas, estamos trabalhando em algumas novidades, pretendemos lançar uma nova tiragem das camisetas do Portal do Inferno e também um novo modelo que estamos desenvolvendo. Fiquem ligados!