Folkeando com Fernanda Elisa

Créditos: Divulgação

No dia 25 de janeiro, sábado, será exibida a 2ª Mostra de Filmes, em parceria com o Cinesystem, apresentando produções do roteirista Leon Borghes e direção de Juliana Kelling, que trazem para as telas do cinema filmes de suspense, comédia e muita ação. Entre os filmes expostos está A Dona da Mente protagonizado pela carioca Fernanda Elisa, que faz sua estreia como protagonista, e nós, é claro, fomos entrevista-la:

Victor Hugo Cavalcante: Primeiro gostaria de agradecer por nos conceder esta entrevista e gostaria de começar perguntando: Como começou sua relação com as artes cênicas?

Fernanda Elisa: Nunca imaginei me tornar atriz, tinha um grande sonho em me tornar modelo, mas foi acontecendo e percebi que nasci pra isso.

Tudo começou depois de um concurso de beleza negra, depois disso, vi que eu poderia ir além.

Victor Hugo Cavalcante: Quais foram os trabalhos mais incríveis que você já interpretou? Por quê?

O mais incrível foi poder atuar ao lado de Zezé Motta em seu clipe Batuque de Angola.

Me tremi toda porque a Zezé é uma profissional exemplar e inspiração para minha carreira.

Victor Hugo Cavalcante: Como foi que surgiu a oportunidade de interpretar sua primeira protagonista, a Eva do filme A Dona da mente?

Foi tudo muito rápido, recebi o convite para substituir a Adriana Bombom, e topei na hora.

Eu não fazia ideia que seria a protagonista do filme, só descobri na hora da gravação.

Deu um frio na barriga e ao mesmo tempo a sensação de que um sonho estava sendo concluído.

Victor Hugo Cavalcante: O que podemos esperar do filme A Dona da mente e por quê?

O filme Dona da Mente, fala sobre o cotidiano a obsessão por conquistar as coisas a qualquer custo.

Minha personagem Eva é uma mulher que não mede esforços para conseguir o que deseja.

O filme trás muito suspense e promete prender a atenção dos espectadores do começo ao fim.

Victor Hugo Cavalcante: Como é poder trabalhar em conjunto com o roteirista Leon Borghes e com a diretora Juliana Kelling? Vocês já haviam trabalhado junto ou você já conhecia algum trabalho deles?

Foi incrível, me ajudaram bastante na construção do personagem. Foi o primeiro trabalho que fizemos juntos e com certeza virão outros.

Victor Hugo Cavalcante: Quais as principais dicas que você dá para quem deseja algum dia se tornar atriz?

Independente de qualquer sonho é preciso muito dedicação e aprimoramento, pois nós atores estamos sempre em construção.

Victor Hugo Cavalcante: Em A Dona da mente, você vive a protagonista Eva, uma charlatã que vive de manipular e persuadir seus clientes, sob a suposta alegação de certa "clarividência", e sob este prisma manipula a todos para seus próprios interesses financeiros, pessoais e até mesmo afetivos! Enfim, quanto de roteiro tem na personagem e o quanto de Fernanda tem em Eva?

Tem muita coisa bacana, absorvi o máximo que pude para construir a personagem.

Posso dizer que 40% de Fernanda, não sossego enquanto não consigo o que eu quero, mas sem passar por cima de ninguém ao contrário de Eva.

Victor Hugo Cavalcante: Ainda sobre sua personagem interpretada no filme A Dona da Mente quais as principais diferenças e semelhanças entre você e a personagem Eva?

A única semelhança que temos é a determinação. Eva é uma mulher totalmente calculista e que se aproveita das pessoas.

Victor Hugo Cavalcante: Como acontece muito com atrizes e atores negros, você vinha desenvolvendo papeis como escrava e moradora de comunidades pobres, mas agora estreia seu primeiro filme, com um papel não clichê para negros e de suspense! Algo pouco produzido no Brasil ainda. Como você enxerga esta questão de representatividade negra e a importância de se quebrar estes paradigmas de que todo personagem negro ou é escravo ou é morador de comunidade pobre?

Temos que mostrar que independente da nossa raça ou cor somos capazes sim, de fazer papéis de grande importância, e poder protagonizar um filme onde sou a única negra no elenco, além de ser uma conquista imensa, sirvo como exemplo de que estamos mudando está questão.

Victor Hugo Cavalcante: Para você enquanto atriz como foi o ano de 2019 e o que podemos esperar de sua carreira em 2020?

2019 foi ano muito proveitoso, me joguei de cabeça sem medo de ser feliz.

Aproveitei para adquirir mais conhecimentos.

Hoje faço parte da Despreparação de Atores e companhia Kizamba Kifusi do diretor e preparador de elenco Thogum Texeira. (Único negro preparador de elenco do RJ).

Em 2020 vocês irão ouvir falar muito de mim, tem muita coisa boa pra acontecer, em breve vem trabalho novo por aí.