Folkeando com Benji Marcel

Créditos: Benji Marcel

A literatura infantil é muitas vezes considerada uma das principais fontes de ensinamento para a criança leitora, e foi justamente para ensinar sobre aceitação, preconceitos e muito mais que o escritor Benjamim Marcelino da Silva Júnior, conhecido como Benji Marcel lançou o livro Zico, um urubu diferente.

Victor Hugo Cavalcante: Primeiro agradecemos por nos conceder esta entrevista e gostaria de começar perguntando: Como surgiu sua relação com a literatura?

Benji Marcel: Desde pequeno que sempre gostei de ler e inventar estórias diversas, sempre escrevi, mas não de forma profissional, depois que tive meu artigo publicado para uma revista científica, daí tomei coragem de dar vida ao famoso ZICO, URUBLUE (Risos).

Victor Hugo Cavalcante: O livro infantil Zico, um urubu diferente, conta a estória de uma jovem ave que, ao invés de ficar preta, igual a todos os de sua espécie, fica com a cor das penas azuladas e que por tal motivo vive aventuras emocionantes e aprende grandes ensinamentos sobre arrogância, humildade, exclusão e aceitação, para você enquanto pedagogo, especialista em Psicopedagogia Clínica & Institucional, o quanto livros como este ajudam as crianças à serem mais tolerantes e se aceitarem como são?

A partir do princípio da igualdade, o texto mostra de forma clara e sútil o quanto todos precisam uns dos outros e que ninguém é melhor ou superior ao outro. Os pais e profissionais da educação terão nas mãos uma opção de conversar com seus pequenos sobre assuntos como: Egoísmo, desigualdade, soberba, união, aceitação etc.

Victor Hugo Cavalcante: Além do livro infantil Zico, um urubu diferente, você possui ou pretende escrever outros livros? Quais?

Sim, já tem outro pronto para ser impresso intitulado Teca Sapeca, a sapa perereca. Ele contará a estória de uma rãzinha e seu parceiro, um camaleão que achava que era uma iguana.

Capturados de seu habitat natural por traficantes de animais, e vendidos. Juntos eles reunirão forças com outras pequenas criaturas para voltar para casa no meio da floresta e salvar a Lagoa do Cururu dos malvados traficantes de animais exóticos.

Victor Hugo Cavalcante: Quais são seus livros e escritores favoritos e o quanto eles te inspiraram a ser escritor?

Monteiro Lobato, Maurício de Souza, Marcus Rey e Ganymédes José, estes foram minhas fontes de inspiração, de resto, leio todos os tipos de literatura, desde Jhon Green até Ana Maria Machado, Ziraldo dentre outros.

Victor Hugo Cavalcante: Quais foram suas principais influências para escrever o livro Zico, um urubu diferente?

Ver a forma como as notícias de bullying foram tomando conta dos noticiários.

Há bullying entre as crianças, até nas escolas. E por ver como crianças "normais", excluíam da sua convivência, as que elas julgavam "diferentes ou anormais", por serem especiais, negras ou até por terem classe social diferente.

Victor Hugo Cavalcante: Para você enquanto pedagogo e especialista em Psicopedagogia Clínica & Institucional o que nunca pode faltar numa história infantil?

A empatia que a estória passará para as crianças. Toda criança acaba se colocando no lugar deste ou daquele personagem, e a mensagem que o livro tem que trazer, deve ser sempre de coisas boas, de transformação.

Pois os pequenos aprendem rápido e assimilam muito rápido também. Por isto boas estórias, com temas sociais, deveriam ser mais trabalhadas e divulgadas.

Victor Hugo Cavalcante: Quando criança quais eram seus livros prediletos e por quê?

Sempre li Monteiro Lobato, mas tem dois livros em especial que me marcaram bastante: A macaca Sofia de Ganymédes José e o Mistério do cinco estrelas de Marcus Rey.

Estes dois livros me inspiraram muito, partir daí decidi que queria ser escritor, e por causa das estórias do Sítio do Pica Pau Amarelo, de Monteiro Lobato que decidi: Escritor sim, mas de literatura infantil. (risos).

Victor Hugo Cavalcante: Quais dicas você daria para quem deseja escrever um livro para o público infantil?

Que primeiro pesquise, se familiarize com o universo infantil, (tenho seis filhos), que escolha bem o enredo e de preferência uma boa temática, pois leitura para agradar crianças tem que ser fácil, divertida, e simples.