2 de Abril: Um dia para a Conscientização* autista

Créditos: Facebook

Estou empacada sem saber exatamente o que dizer, particularmente só posso falar como mãe. Devíamos dar lugar de fala para algum autista.

Mas é difícil também. Enquanto eu escrevo isso estou aos prantos, estou empacada pois há tanto que dizer, tanto a fazer, mas eu estou tão exausta, embora não possa sequer me dar o luxo de estar.

Antes do diagnostico fechado que veio aos 2 anos, tanta luta eu já tinha travado para conseguir esse laudo. Hoje ele com 9 anos tantas outras lutas já travei, e sei que serão inúmeras outras que irei travar.

Penso que ano que vem é seu último ano na EMEF, onde ele ainda tem algum suporte,.no SANSARA não existe suporte algum, penso que meu filho vai ficar sem escola. e nada o estado fará, e eu travarei lutas e mais lutas, mas infelizmente sei que não irei ganhar todas elas.

Na verdade a medida que ele cresce vou perdendo luta atras de luta. Não pensam em inclusão de autista adolescente, autista adulto, autista idoso, e ele será tudo isso, por enquanto é apenas uma criança, ainda vista com bons olhos pela sociedade que finge aceitar e finge incluir. Eu temo por ele, mas principalmente por mim.

A carga emocional que uma mãe de autista tem que suportar para não cruzar a linha da insanidade beira o insuportável, o Estado não acolhe essas mães, não existem politicas voltadas a saúde mental do cuidador.

Existem cuidados direcionados por nós responsáveis aos nossos filhos, mas quem cuida da gente? O dia de hoje tem que ir muito alem da conscientização sobre o transtorno do espectro autista. É extremamente importante pararem de endeusar a mãe da criança com deficiência. Somos humanas e temos nossas falhas, nossos medos e anseios. Por meus filhos, por seus filhos e pelos filhos de seus filhos também.