Estação Liberdade inicia publicação da obra de Friedrich Dürrenmatt

Créditos: Editora Estação Liberdade

Friedrich Dürrenmatt é conhecido do público brasileiro por suas peças, como A visita da velha senhora e Os físicos. A promessa seguido de A pane recoloca a prosa do autor suíço de expressão alemã nas estantes do país e apresenta outra faceta de sua cultuada criação.

Em A promessa, que leva o subtítulo Réquiem para um romance policial, o autor, já conhecido por seus romances e roteiros policiais, decide jogar com as convenções do gênero. Dürrenmatt coloca a si mesmo como personagem, um escritor que ouve de um ex-chefe de polícia o caso que arruinou o homem mais genial que ele conheceu.

Matthäi, um detetive já próximo da aposentadoria, jura à família de uma vítima que encontrará o culpado por trás do crime brutal. Ao levar sua promessa às últimas consequências, Matthäi é obrigado a encarar o fato de que a vida real nem sempre cabe dentro da lógica das histórias de mistério.

A saga de Matthäi se converte em uma reflexão sobre justiça, culpa, virtude e acaso. Além disso, ao misturar ficção e realidade, o autor coloca a discussão sobre literatura dentro da própria obra.

Em A pane: Uma história ainda possível, o caixeiro-viajante Alfredo Traps tem de pernoitar em um vilarejo após seu carro sofrer uma pane na estrada. Ele se une a um grupo para um jantar. Os ilustres senhores que o convidaram têm o passatempo de encenar julgamentos e sentenças. Na posição de réu, Traps abrirá sua vida e seus segredos a estes desconhecidos de uma maneira irreversível.

Nas duas obras, o autor cria pérolas narrativas: leituras envolventes que incluem mergulhos fundos na moralidade humana e reflexões sobre o lugar da literatura no mundo contemporâneo. Por sua versatilidade e suas ideias provocadoras e críticas à sociedade europeia, Dürrenmatt marcou seu nome entre os principais autores de língua alemã da literatura moderna.

Sobre o autor

Friedrich Dürrenmatt nasceu na pequena cidade de Konolfingen, na Suíça alemã, em 1921, filho de um pastor protestante. Influenciado pelo teatro épico de Bertolt Brecht, escreveu sua primeira peça, Es steht geschrieben [Está escrito], aos 25 anos. A partir da década de 1950, com obras como O juiz e seu algoz (1950), A suspeita (1951, no prelo pela Estação Liberdade) e A visita da velha senhora (1956), marcou seu nome entre os principais autores de seu país, com textos encenados, adaptados e traduzidos por todo o mundo. Os direitos autorais de suas bem-sucedidas peças possibilitaram que montasse uma prodigiosa adega de vinhos. Dedicou-se também à gravura e à pintura. Após sua morte, em 1990, sua produção pictórica e seus arquivos pessoais foram reunidos no Centre Dürrenmatt Neuchâtel, construído por Mario Botta junto à sua antiga casa. Do autor, a Estação Liberdade também edita Justiça (1986).

Curiosidades

As peças de Friedrich Dürrenmatt são frequentemente encenadas nos palcos brasileiros. Sua obra em prosa mistura o gênero policial às reflexões características da "alta literatura".

O romance policial A PROMESSA foi adaptado para o cinema em 2001 por Sean Penn, no filme de mesmo nome estrelando Jack Nicholson.

A edição com as duas obras foi o livro do mês de agosto de 2018 da Tag Livros, indicadas pelo escritor Cristovão Tezza, que chamou A PANE de "uma novela perfeita".