Dezembro Laranja: Fim de ano, verão e muita proteção solar

Créditos: FT Camuflagem

Victor Hugo Cavalcante: Primeiramente, obrigado por nos conceder esta entrevista e gostaria de começar perguntando: O que é e como age o câncer de pele?

Drª. Juliana Mendes:  O câncer de pele é um crescimento anormal das células da pele. Dependendo da profundidade da célula na qual acontece essa mutação, ocorre um tipo de câncer diferente.

Victor Hugo Cavalcante: Como fazer para evitar o câncer de pele? E como ele é identificado em exames?

Para evitar o câncer de pele é importante se proteger do Sol nos horários de maior incidência solar, ou seja, entre 10 e 16h. Além disso, é preciso usar protetor solar com PPD (proteção contra raios UVA), óculos de Sol, chapéu e roupas com proteção que também são válidas dependendo do caso.

Victor Hugo Cavalcante: Uma das maneiras de prevenir o câncer de pele é usar o filtro solar, ainda mais nas épocas quentes do verão, mas, afinal, quais são os mitos mais comuns quando se fala em prevenção ao câncer de pele e por que se acreditam nestes mitos?

A prevenção é algo muito simples e acredito que por ser fácil e simples, as pessoas acabam não dando muita importância por acharem que medidas banais as livrarão de uma doença que pode ser fatal. Um dos mitos mais comuns é passarmos protetor solar somente ao se expor ao Sol. E mesmo as pessoas que passam no dia a dia não repassam, o que anula o efeito após algumas horas.

Victor Hugo Cavalcante: Assim que se é identificado o câncer de pele quais as maneiras de trata-lo?

Dependendo do tipo de câncer e do estado e histórico do paciente, pode fazer quimioterapia, radioterapia e/ou cirurgia para extração da pele e tecidos lesados.

Victor Hugo Cavalcante: Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA) são estimados para o Brasil, em 2018, 2.920 novos casos de câncer de pele melanoma em homens e 3.340 em mulheres. Existe algum grupo de risco para o câncer de pele?

Sim, pessoas com fototipo de pele mais clara, olhos claros e histórico familiar de câncer de pele.

Victor Hugo Cavalcante: Existem três tipos de cânceres de pele: O carcinoma basocelular, mais frequente e com alto percentual de cura; o carcinoma espinocelular, de incidência média; e o melanoma, o tipo mais grave e mais raro. Qual a diferença entre estes tipos de cânceres? E por que o carcinoma basocular é o mais comum e possui um alto percentual de cura?

O melanoma está ligado às células que produzem melanina e é o mais agressivo por levar à metástase. O basocelular fica nas células mais profundas da pele, mas não tem relação com uma lesão prévia. Já o Espinocelular geralmente vem de uma lesão pré-cancerosa e tem alto risco de espalhar para outras partes do corpo pelo sistema linfático.

Victor Hugo Cavalcante: Como podemos identificar em um autoexame se temos câncer de pele?

Usamos facilmente a técnica ABCDE:

A - Aspecto da pinta/lesão

B - Bordas

C - Cor

D - Diâmetro

E - Evolução do crescimento

Victor Hugo Cavalcante: Além de utilizar o filtro solar quais são as outras formas eficientes de se proteger dos raios UVA e UVB do sol?

Podemos nos proteger também usando roupas com proteção, chapéu, óculos e escolhendo o melhor horário para exposição.

Victor Hugo Cavalcante: Algo mais a acrescentar?

Somente alertar que a melhor forma de evitar é a prevenção e que é algo ao alcance de todos. E prestar atenção em qualquer macha, pinta que aparecer ou evoluir no seu corpo. O autoexame é fundamental para um diagnóstico precoce com alta chance de cura.