Médicos do mundo inteiro discutem os avanços da oncologia nos dias 22 e 23 de novembro, em Curitiba

Créditos: Divulgação

Um dos caminhos mais promissores para o tratamento do câncer utiliza o próprio sistema imunológico para destruir os tumores, chamado de imunoterapia. Considerado um dos maiores avanços contra esta doença, o tratamento biológico promove a estimulação do sistema imunológico e estimula as células de defesa, com efeitos colaterais mais brandos. O tratamento aumento as chances de cura do câncer, mesmo em casos mais avançados.

E para debater este e outros avanços e tratamentos para o câncer, médicos do mundo inteiro se reúnem em Curitiba, nos dias 22 e 23 de novembro, no Expo Unimed, para o MoonShot Brasil Sul realizado pelo Instituto de Oncologia do Paraná (IOP).

Durante o evento, os tipos de câncer que estarão em pauta são: Câncer de Mama, Câncer Uro-Oncológico, Câncer de Pele (Melanoma) e Câncer do Aparelho Gastrointestinal.

Em paralelo, acontece também a III Jornada OncoScience, realizada pelo Mantis Diagnósticos Avançados, laboratório de excelência no diagnóstico de doenças oncológicas, hematológicas, genéticas e infecciosas do Grupo IOP.

Na Jornada OncoScience serão apresentadas as novidades na biologia molecular mundial e seus benefícios para o diagnóstico de diferentes tipos câncer; as inovações moleculares, alvos terapêuticos e uso do genoma e os biomarcadores.

Câncer de pele

É o câncer mais frequente no Brasil e corresponde a 30% de todos os tumores malignos registrados no país. Segundo o INCA, apresenta altos percentuais de cura, se for detectado precocemente. Entre os tumores de pele, o tipo não-melanoma é o de maior incidência e mais baixa mortalidade.

Já o melanoma cutâneo é um tipo de câncer de pele que tem origem nos melanócitos (células produtoras de melanina, substância que determina a cor da pele) e tem predominância em adultos brancos. O melanoma representa apenas 3% das neoplasias malignas do órgão, apesar de ser o mais grave devido à sua alta possibilidade de metástase.

"O prognóstico desse tipo de câncer pode ser considerado bom, se detectado nos estádios iniciais. Nos últimos anos, houve uma grande melhora na sobrevida dos pacientes com melanoma, principalmente devido à detecção precoce do tumor", conta a presidente da comissão científica do evento, a oncologista clínica Rosane Johnsson.

De acordo com ela, médicos oncologistas nacionais e internacionais mundialmente reconhecidos foram convidados para o evento para apresentar os resultados mais recentes dos ensaios clínicos e discutir novos medicamentos, tecnologias e ferramentas de diagnóstico para este e outros tipos de câncer.

Informações complementares do INCA

Câncer de mama

Acomete principalmente as mulheres. Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50 anos. Estatísticas indicam aumento da sua incidência tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento.

Estimativa de novos casos: 59.700 (2018 - INCA)

Número de mortes: 14.388, sendo 181 homens e 14.206 mulheres (2013 - SIM)

Câncer de pele

Estimativa de novos casos: 165.580, sendo 85.170 homens e 80.410 mulheres (2018 - INCA)

Número de mortes: 1.769, sendo 1.000 homens e 769 mulheres (2013 - SIM)

Melanoma

Estimativa de novos casos: 6.260, sendo 2.920 homens e 3.340 mulheres (2018 - INCA)

Número de mortes: 1.547, sendo 903 homens e 644 mulheres (2013 - SIM)

Câncer Gastrointestinal

O pico de incidência se dá em sua maioria em homens, por volta dos 70 anos. Cerca de 65% dos pacientes diagnosticados com câncer de estômago têm mais de 50 anos. No Brasil, esses tumores aparecem em terceiro lugar na incidência entre homens e em quinto, entre as mulheres. No resto do mundo, dados estatísticos revelam declínio da incidência, especificamente nos Estados Unidos, Inglaterra e outros países mais desenvolvidos.

Estimativa de novos casos: 21.290, sendo 13540 homens e 7.750 mulheres (2018 - INCA)
Número de mortes: 14.182, sendo 9.142 em homens e 5.040 mulheres (2013- SIM)

Atenção: A informação existente neste portal pretende apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação pessoal com um médico da sua confiança.