Interact Club: Sendo a inspiração contra a conformidade

Créditos: Facebook

Victor Hugo Cavalcante: Primeiramente muito obrigado por nos conceder esta entrevista e gostaria de começar com a seguinte pergunta: Como começou sua relação com o programa de jovens patrocinado pelo Rotary, o Interact Club?

Roberta Schneider Cecyn: Começou com um convite nada convencional de uma colega de infância, nem nos falávamos muito. Ela me enviou uma mensagem através do Facebook, falando que haveria uma reunião no sábado seguinte, disse que era pra eu pesquisar o que era o Interact e ir se tivesse interesse. Como um ser muito curioso, pesquisei e tudo que eu pude compreender naquele primeiro contato, aos 13 anos de idade, era que o Interact tinha como o objetivo ajudar a comunidade. Fui à reunião, que muito me encantou, depois. E foi lá que o Interact Club de Paranaguá- Taguaré começou a ganhar vida e eu, comecei a me desenvolver junto com ele, passo a passo. Foi impossível não retornar as reuniões, não pensar em projetos, não assumir cargos e responsabilidades, parece que simplesmente aquela era a oportunidade da minha vida e é óbvio que eu agarrei. Ainda bem!!!

Victor Hugo Cavalcante: Estamos na Semana Mundial do Interact, afinal para você enquanto interactiana e presidente do Interact Brasil qual é a sensação de estar comemorando esta importante data e qual é a sensação de poder ajudar a melhorar o mundo com o IC através de projetos em prol à sociedade?

É uma mistura de sentimentos muito grande, é difícil explicar. Primeiro, dá uma satisfação enorme por saber que não ficamos de braços cruzados reclamando e esperando as coisas acontecerem, ou esperando atingir determinada idade para que comecemos a nos sentir responsáveis pela nossa realidade. Nós somos responsáveis agora, é nosso dever cuidar do mundo onde vivemos e das pessoas que o dividem conosco, nem que pra isso precisemos superar algumas limitações todos os dias, afinal, é assim que nos desenvolvemos e nos tornamos mais fortes e capazes. O impacto que o Interact causa no mundo, através das pessoas que participam dele, é imensurável, e é esse impacto que nós comemoramos na Semana Mundial, e é para mostrar esse impacto para a comunidade que os clubes do Brasil inteiro se unem. É para atrair mais aliados, mais pessoas que confiem em nós e lutem pelos nossos objetivos, fazendo com o mundo seja cada vez mais beneficiado. Tornamo-nos muito mais fortes quando percebemos que estamos todos juntos, isso é incrível. Sinto muito orgulho em perceber a energia positiva que é espalhada pelos interactianos, principalmente durante a SMI.

Victor Hugo Cavalcante: O que significa ser interactiano para você? Você consegue imaginar um mundo sem Interact hoje em dia? Por que e como ele seria?

Ser interactiano significa acreditar. Acreditar que as coisas sempre podem ser melhores e que nós somos a força motriz das mudanças. Ser interactiano é viver a juventude da forma mais intensa e positiva possível. É fazer valer a pena cada segundo vivido e compartilhado com os companheiros e amigos. É ter experiências de vida enriquecedoras, que nos fazem pessoas melhores e nos preparam para sermos profissionais incríveis. É apontar o nosso destino para a realização dos nossos sonhos, pois percebemos que somos extremamente capazes de realiza-los. Ser interactiano é algo único. Hoje, grande parte do que sou, sou devido ao que o Interact me proporcionou, por isso não consigo imaginar o mundo sem ele, não sei o que eu teria feito durante a minha adolescência, não sei o que faria agora, no início da vida adulta.

Como citei em uma entrevista anterior, eu acredito que seria um mundo mais cinza e menos esperançoso, pois a maior função dos jovens é mostrar às gerações mais velhas que, com a inovação e a energia que possuímos, somos capazes de resolver os problemas que cercam a sociedade. Sem o Interact, mais de um milhão de jovens sequer saberiam que têm esse poder. A fundação do Interact, com certeza, foi uma das decisões mais importantes que o Rotary tomou.

Victor Hugo Cavalcante: Qual foi o projeto mais inesquecível que você ajudou a realizar? Por quê?

O projeto Cultura sem Idade, que aconteceu durante a gestão que fui presidente do clube ao qual eu pertenço, foi, com certeza, um dos mais marcantes da minha trajetória até aqui, pois ele me permitiu sentir todas as fortalezas que o Interact proporciona. Envolveu a comunidade, fez o dia de internos de um abrigo de idosos mais feliz, inclusive "o mais feliz" da vida de uma das senhoras, como ela mesma disse, chorando, quando o cantor dedicou uma música do Roberto Carlos para ela, uniu companheiros, divulgou artistas da cidade e mudou a minha vida. Por esses motivos ele é um dos projetos que está na programação da Semana Mundial do Interact proposta pela MDIO Interact Brasil. A minha intenção é que todos os meus companheiros do Brasil sintam o que eu e o pessoal do meu clube sentimos naquela oportunidade. 

Victor Hugo Cavalcante: O lema da gestão atual da família rotária é Seja A Inspiração, afinal para você enquanto jovem interactiana o que significa ser uma inspiração?

Para mim, ser a Inspiração é ser capaz de deixar alguém motivado a ser melhor do que era. Nós podemos fazer muitas coisas, mas somos mais fortes quando mais pessoas também fazem e, isso só é conquistado se somos capazes de inspirar. É mostrar para as pessoas que elas podem fazer algo bom sempre, independente das circunstâncias.

Victor Hugo Cavalcante: Para você qual é a principal missão do Interact em relação ao mundo e em relação aos jovens?

A maior missão do Interact é mostrar que o mundo é um lugar bom e que vai se tornar cada vez melhor, através das jovens lideranças que são formadas com o dever de servir.

Victor Hugo Cavalcante: O que você espera para o Interact daqui para frente? E o que nós podemos esperar do IC?

Podemos esperar muitos jovens interactianos se destacando pelos seus feitos pela comunidade e clubes sendo reconhecidos pelos seus belíssimos trabalhos!