Evandro Angeluci: Música também é coisa séria

Créditos: Facebook

Victor Hugo Cavalcante: Primeiramente muito obrigado por nos conceder esta entrevista e gostaria de começar com a seguinte pergunta: Como começou sua relação com a música e com a área de ensino musical?

Evandro Angeluci: A música acompanha minha vida desde do dia que ouvia meu pai (Wanderlei Angeluci) tocando bateria ou um instrumento harmônico ou minha irmã (Jovaine Angeluci) tocando piano ou teclado, seja no conservatório de música, orquestra ou em casa, tinha por volta dos 8 anos de idade. 

Não só pela consanguinidade mas também pelo amor que tenho por ela, não abandono por nada neste mundo. Meu primeiro instrumento a tocar foi o violão e desde de então não parei mais, já faz mais de 25 anos.

Na área da educação musical, após minha formação pela Universidade de São Carlos em licenciatura em educação musical em 2016, desenvolvi didáticas e práticas musicais mais eficientes. Atualmente estou finalizando minha pós graduação na mesma área.

Victor Hugo Cavalcante: Qual sua dica enquanto professor de música para quem deseja aprender a tocar um instrumento?

Em primeiro lugar, ter vontade, o resto é consequência. Claro, à dedicação, a disciplina e a coordenação motora devem ser estimuladas frequentemente, se não, o sonho acaba e o investimento vai por água abaixo. Se for dar um conselho, viva a música em sua plenitude, se entregue e não se arrependerá, isso tenho certeza, mesmo que um dia não seja um músico ou musicista.

Victor Hugo Cavalcante: Quais são os principais benefícios do ensino e prática musical para as crianças e os adolescentes?

Dentre os aspectos musicais estão: Melhoras no raciocínio, coordenação motora, motricidade, percepção auditiva, dentre outras.
No aspecto social podemos citar: Melhoras nas relações interpessoais, expressão corporal, linguagem, disciplina e atenção.

Viver em um grupo social é importantíssimo e estar em um grupo sonoro é essencial para desenvolver e despertar novas habilidades e enfrentar desafios que ainda não eram superados, como a timidez.

Victor Hugo Cavalcante: Hoje o mundo está cada vez mais digitalizado/tecnológico, afinal como a inclusão digital pode ajudar na caminhada da criança/jovem na educação musical?

A criança ou o jovem já vive essa realidade muito mais do que seus pais. Vejo em casa com meu filho Leandro de 4 anos utilizando os equipamentos eletrônicos como a TV,  áudio ou computador e minha filha Ana Laura de 9 anos realizando campeonato de matemática online.

Acredito que estimular a criança a utilizar a tecnologia com equilíbrio e sensatez, estipulando regras ou combinados, a utilização de plataformas midiáticas que a internet ou aplicativos com música ou correlacionados irão auxiliar ainda mais para o desenvolvimento cognitivo e educativo tanto para essa criança e para o jovem que foi direcionado e educado a partir de normas. Porque assim? Tanto no presente ou no futuro eles vivem e viverão em uma sociedade com leis e diretrizes que devem seguir e ter uma boa convivência com o próximo.

Victor Hugo Cavalcante: Existe alguma faixa etária ideal para o começo do aprendizado musical? Se sim, porque esta faixa etária é ideal?

Costumo dizer que a partir do ventre da mãe, o ser humano já convive com um ambiente sonoro. A partir do crescimento na infância deve se respeita as etapas do neurodesenvolvimento da criança, estimulando aqueles que mais necessitam e promover eventos sonoros ou musicais para os mais exigentes. 
Acredito que ter talento não é requisito fundamental sem o empenho e dedicação ao que deseja fazer, assim acredito na inteligência musical, fato estudado por cientistas e pesquisadores renomados na área da educação como Gardner, Piaget e na área da educação musical como Swanwick.

Victor Hugo Cavalcante: Quais suas principais dicas para quem deseja ser um educador musical?

A profissão de ser músico ou educador musical não é diferente de outras profissões. Se acrescentarmos o fazer artístico deve-se levar em conta algumas especifidades e habilidades a serem trabalhadas de forma técnica, hodiernamente para serem enraizados e ao mesmo tempo serem aperfeiçoadas.

O estudo prático e teórico de um ou mais instrumentos é essencial. Realizar especializações, cursos ou oficinas devem ser constantemente levado a sério, pois implicará no bom desempenho como profissional na área.
No final das contas, se você ama o que faz, tudo que escrevi acima, você irá tirar de letra!!!!

Victor Hugo Cavalcante: Como é atualmente a educação musical no Brasil nas escolas? Ela é divulgada amplamente ou não? E na sua visão como educador como poderíamos levar a educação musical para cada vez mais escolas?

Atualmente, posso dizer que na área da educação musical, a obrigatoriedade de incluir o ensino de música na grade curricular das escolas ocorreu por meio da lei número 11.769, que alterou a Lei de Diretrizes e Bases Orçamentárias (LDB) em agosto de 2008.

Na prática, essa lei não tem funcionalidade, ou seja, justificativa, como não ter professor específico ou que seja polivalente, os custos para aquisição de instrumentos musicais, estrutura adequada para realização das aulas ou práticas de conjunto.

No meio deste entrave, projetos como o Projeto Guri, um dos maiores projetos sócio educacionais através da música, está sendo e mudando a vida de muitas crianças e jovens no estado de São Paulo ensinando a música com excelência a partir da prática de instrumentos musicais, o canto e a musicalização infantil, além de correlacionar as linguagens artísticas: dança, teatro, artes visuais e plásticas em suas ações multidisciplinares e culturais diversas.

Victor Hugo Cavalcante: Quais os benefícios que educação musical pode trazer á área pedagógica?
Não sendo nem otimista e nem pessimista, mas a educação em sua plenitude precisa urgentemente de mudanças em suas diretrizes e bases, não diferente na área do ensino artístico, relacionando a música como um dos pilares para o desenvolvimento e crescimento intelectual das crianças e jovens.

O aprendizado através da música deveria estar interligado em todas as disciplinas do currículo escolar e não complementar!

A música além dos benefícios tanto na neurociência e afetivo, a música é a ligação direta para a comunicação entre as nações de um mundo melhor!
Abraços  a todos e obrigado Jornal Folkcomunicacão por esta oportunidade!