Eleições 2018: A defesa contra o ódio se faz com ação

Créditos: Divulgação

Tema nº 1 - Política

Victor Hugo Cavalcante: Primeiramente muito obrigado por nos conceder esta entrevista e gostaria de começar perguntando: Porque você decidiu concorrer a política este ano? E porque você decidiu fazer parte do partido em que está concorrendo? E qual é o carro chefe de suas propostas? Porque decidiu por estas como principais?

Cláudia Ferreira: Desde que entrei no segmento plus size, já me sugeriam essa possibilidade, pois é uma bandeira que ninguém costuma levantar. A gente sempre luta, e parece que estamos lutando sozinhos, então decidi vir neste ano por conta disso. Através da política acredito que conseguirei começar esta mudança que tanto precisamos.

Somos 70% da população no Rio de Janeiro. E mesmo assim discriminados, e porque o PR (Partido da República) é um dos partidos que mais dá oportunidade para as mulheres.

Minha principal luta será falar sobre as 30 horas das enfermeiras. Por ser formada em enfermagem, e por ser gorda desde sempre. Vivenciei e vivencio diariamente todas as dificuldades que um gordo tem.

Victor Hugo Cavalcante: Quais serão as suas principais missões caso seja eleita em relação ao conturbado momento político que vivemos no País (Escândalos de corrupção e má fé na política)?

Minha missão será governar para o povo, com o povo. Com transparência e honestidade, sem me corromper com meio que já está bem poluído e desacreditado.

Victor Hugo Cavalcante: Como você pretende alcançar as metas citadas anteriormente?

Pretendo, acima de tudo, ser uma voz que de fato represente o povo carioca dentro da Assembléia Legislativa. E assim, propor novas leis que garantam maior acessibilidade à pessoas acima do peso, que além do preconceito, estão na desvantagem na disputa por uma vaga de emprego, entre outras coisas.

Também pretendo propor leis que garantam maior valorização do profissional de saúde, e diminuam preconceitos raciais, homofóbicos, gordofóbicos, etc... Além de propor medidas que complementem, e traga mais eficácia na luta contra violência contra a mulher.

Como Deputada Estadual, também me dedicarei com afinco a fiscalização da administração no Estado. Precisamos de mais transparência com as contas públicas. Não me omitirei aos meus deveres, e se preciso, denunciarei e/ou investigarei casos ilícitos de administração.

Victor Hugo Cavalcante: Porque para você estas mudanças na política devem acontecer?

Tudo que renova, tem a possibilidade de transformação. Precisamos dessas mudanças para solucionar os problemas do nosso país que se afoga cada vez mais no mar da desesperança e incredulidade.

Victor Hugo Cavalcante: Um dos motivos para que alguns brasileiros não acreditam na política e em suas propostas são as variadas denúncias que vemos  frequentemente estampadas nas mídias nacionais (E até internacionais), mas afinal, para você como brasileiro, como você acha que a população pode ajudar no combate a corrupção e por quê?

O caminho para a mudança tem que passar pela cultura, acessibilidade, inclusão e educação. O pensamento do povo brasileiro precisa mudar e a medida que ganhamos mais conhecimento, tomamos mais consciência sobre as coisas ao nosso redor.

Acho que a esperança está, principalmente, na mudança de postura do povo. Precisamos aprender a votar, e pesquisar mais sobre nossas escolhas. Não se vender, não se omitir. Pois se omitir, faz as coisas piorarem.

Tema nº 2 - Saúde

Victor Hugo Cavalcante: Quais são as suas propostas para melhorar a saúde no Brasil?

Valorização do profissional da saúde. Pra ganhar bem na área de saúde tem que trabalhar muito, o que causa muitos estresses físicos e emocionais. Se não melhorarmos as condições de trabalho, a área não vai avançar.

Victor Hugo Cavalcante: Como você pretende lutar afim de alcançar as metas para um Brasil que tenha um serviço de saúde de qualidade?

Pretendo lutar pelo profissional da saúde. Sou a favor redução da carga semanal de trabalho da enfermagem, para 30 horas.

Estando eleita serei mais uma voz em favor desta luta. Sem esquecer os problemas que também enfrentam os demais profissionais desta área.

Victor Hugo Cavalcante: Porque entre tantas metas a serem escolhidas para melhorar o serviço de saúde público você acha que as suas propostas deveriam ser escutadas?

Porque a valorização do profissional leva a uma melhor prestação do serviço. Além de movimentar o mercado de empregos. No Rio de Janeiro somos mais de 250 mil profissionais formados. A enfermagem e a medicina estão entre as 10 carreiras que mais formam profissionais no Brasil. Muitos destes profissionais não conseguem colocação no mercado, ou, quando conseguem, se desdobram em mais de um emprego para complementar os salários.

A população fica mais satisfeita. Diminuem as esperas.

Victor Hugo Cavalcante: Um dos assuntos mais discutidos recentemente é a questão da legalização do aborto, independente de sua opinião, você acha que opiniões devem ser mais discutidas ou que o problema de aborto clandestino deve ser resolvido de uma vez?

O aborto clandestino coloca em risco a vida do bebê, e também a da mãe. Precisa ser resolvido. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a cada dois dias, uma mulher morre no país, vítima de aborto clandestino. Mais de 1 milhão de mulheres no país se submetem a abortos clandestinos anualmente.

Tema nº 3 - Educação

Victor Hugo Cavalcante: Quais serão suas principais metas para uma educação pública de qualidade?

Em primeiro lugar realizar meu papel de deputado estadual que é fiscalizar as verbas destinadas à educação se elas estão sendo distribuídas adequadamente.

Em seguida criar políticas públicas que envolvam toda comunidade escolar E é claro a própria comunidade ao redor da escola que precisa está incluída no processo educacional e isso de forma planejada e estratégica motivar os professores.

Focar na educação continuada dos educadores e que esses sejam acompanhados por gestores gabaritados assumirem a direção de uma escola. Nada de cargo por indicação.

Victor Hugo Cavalcante: Como você pretende lutar para que o Brasil possa ser reconhecido como um país de qualidade educacional?

Acabando com aprovação automática. Equalizando a carga horária de todas as escolas de ensino fundamental I passando de 5 horas /aulas para 7 horas/aulas e investindo em formação continuada dos professores.

Victor Hugo Cavalcante: Porque você acha que estas metas que você pretende propor devem ser eleitas?

Porque derrubando aprovação automática que mascara o índice de aprendizado do aluno nós teremos na verdade alunos realmente que sabem ler e escrever hoje nós temos crianças que eram para ser alfabetizadas no primeiro ano do ensino fundamental 1 chegam ao terceiro ano do ensino fundamental 1 sem saber se quer ler ou escrever o seu nome.

Aumentando a carga hora aula, que são fundamentais nas séries iniciais para o desenvolvimento cognitivo do aluno. O aluno passar mais tempo estudando e sendo acompanhado pelo professor.

E no caso da formação continuada, professor melhor preparado tecnicamente com mais conteúdos estarão dispostos a enfrentar os desafios educacionais que hoje transcendem as paredes da escola.

Victor Hugo Cavalcante: Algumas metas educacionais deveriam ser mais urgentes que outras? Para você como cidadão, quais as metas mais urgentes que o Brasil deve aprovar?

Investir naquele que é peça fundamental da educação, preparar o profissional da educação, que é o professor que irá fazer a engrenagem escolar rodar rumo a uma educação digna e de qualidade, preparando os alunos não só em seus aspectos cognitivos, mas os preparando para vida.

Tema nº 4 - Justiça/Leis/Criminalidade

Victor Hugo Cavalcante: Quais serão as suas principais metas para o Brasil poder alcançar uma justiça de qualidade e com leis que realmente acabe com a impunidade?

Em primeiro lugar, como Deputada Estadual, no campo das competências legislativas, vou fiscalizar com afinco o trabalho do governador, para garantir uma boa administração do Estado. Dar clareza ao povo do Rio de Janeiro, no que tange a execução orçamentária. Não se pode admitir de forma alguma, qualquer desvio do erário pelo gestor de estado.

Victor Hugo Cavalcante: Como você pretende alcançar as metas definidas da pergunta anterior?

Como muito trabalho, comprometimento, dedicação e lealdade ao povo do Estado do Rio de Janeiro. A população merece respeito, e como representante deste povo na câmara dos deputados, quero estar atenta e contribuir para uma gestão sem fraudes em licitações, em contratos, sem desvios, sem superfaturamentos, etc...

E caso ocorra indícios de qualquer irregularidade, vou propor a criação de CPI's, para a investigação de possíveis ilícitos na administração. Queremos um governo não ofuscado pela desonestidade e escândalos como tem sido nos últimos anos, mas um governo marcado pela lisura, transferência e responsabilidade.

Victor Hugo Cavalcante: Porque você acha que suas propostas de medidas para combate a impunidade e criminalidade deveriam ser escutadas e analisadas?

Porque eu represento uma parte da população que não se vê representada há muito tempo. Eu represento as minorias. Não tenho nada a perder. Eu devo ser ouvida porque sei exatamente quais são as demandas dos menos favorecidos. Vivo na pele o medo da criminalidade e vejo todos os dias os reflexos da impunidade. Sei o que as pessoas precisam, sei o que falta e o que precisa ser feito porque essas são as minhas lutas também.

Victor Hugo Cavalcante: Um dos maiores problemas do Brasil é a ineficaz guerra às drogas, independente de sua opinião, como você agiria enquanto político para com este tema?

Dando mais atenção à educação e criando projetos sociais nas comunidades mais atingidas pelo tráfico de drogas, a fim de resgatar e socializar os jovens e, principalmente as crianças, que supostamente seriam o futuro deste tráfico.

Buscando o apoio da segurança pública para achar caminhos que nos levem a sanar essa deficiência carioca, sem causar grandes impactos na sociedade carioca que tem se tornado cada dia mais reféns do medo.

Tema nº 5 - Outros

Victor Hugo Cavalcante: Além dos temas aqui já falados, quais são os outros temas que você pretende discutir caso seja eleito? E por quê?

Quero discutir assuntos ligados ao preconceito como um todo. Discriminações raciais, homofobia e gordofobia. Pois são temas que me sensibilizam como ser humana, e me leva a querer lutar pelo fim dessa "separação", que a sociedade erroneamente insiste fazer, rotulando as pessoas pela cor de pele, orientação sexual, peso, ente outras coisas.

Victor Hugo Cavalcante: O seu partido decidiu fazer coligação com algum outro? Você acha que conquistar base aliada no governo é importante? Por quê?

Sim, meu partido tem coligações. Um vencedor sabe que nesta vida ninguém faz nada sozinho, até Jesus precisou de 12 para ajudar em sua obra. Quando trabalhamos em pró do povo, temos que unir forças e não dividir.

A questão da base aliada não me preocupa. O que me preocupa, é unir forças com os partidos, mas mantendo a hegemonia ideológica que me fez ser candidata! Eu entendo que o povo precisa do meu trabalho. Sendo assim vou fazer alianças políticas e não uma feira em meu gabinete. Vou resgatar a dignidade desse povo. Agora, se os meu eleitores não votarem nas minhas alianças, peço que votem em deputados com idéias parecida com as minhas. Só assim sairemos desta situação.

E peço mais, votem em mim e no meu projeto, assim os eleitores terão um check list para me cobrarem. Não quero ser eleita só com meu nome, quero que elejam minhas ideias, e juntos lutaremos pela nossa terra!

Victor Hugo Cavalcante: Você está entrando para a política pela primeira vez? Qual a importância de renovação no cenário político nacional e por quê?

Sim. A renovação é importante para termos novas idéias. O cenário está muito desgastado com tantos casos de investigações, propinas, contratos ilícitos, desvio de verbas, etc... A mudança também renova a esperança do povo que precisa acreditar, e atestar que políticos honestos e competentes existem sim.

E muito dessa mudança pode vir com a juventude, que tem mais acesso a informação hoje, do que outrora, além de dominar as novas tecnologias, que podem, e devem ser usadas a favor desta renovação no cenário político brasileiro.

Victor Hugo Cavalcante: Se apresente para os eleitores.

Filha de pai mineiro e mãe cearense, sou Cláudia Ferreira. Carioca, nascida em 1982. Minha vocação para ajudar ao próximo, somada a enorme sensibilidade ao ser humano, fizeram de mim uma excelente enfermeira. Profissão que exerci com muito amor.

E mesmo sendo uma mulher bem sucedida e independente, não consegui fugir dos olhos preconceituosos da sociedade, por conta do meu corpo acima do peso. O ponto de partida para uma gama de novas oportunidades, que me engajou no mundo Plus Size e me levaram a criar em 2012, o concurso A Mais Bela Gordinha do Brasil, um dos principais do segmento. Desde então, venho lutando bravamente pela elevação da autoestima e valorização da mulher real no Brasil. Além de defender causas que garantam maior acessibilidade para pessoas gordas, que também enfrentam mais dificuldades para conseguir empregos.

O Slogan Defesa se faz com Ação, me inspira diariamente a criar novas plataformas que possam combater com eficácia e de forma imediata problemas como preconceito, violência contra a mulher, desigualdades de gêneros e o caos na saúde pública. Tristes realidades que a aumenta cada vez mais a minha vontade de trabalhar para o povo.