Controle Emocional X Pressão: Quem vence esta final de Copa do Mundo?

Créditos: Carlos Alkmin

Victor Hugo Cavalcante: Primeiramente muito obrigado por nos conceder esta entrevista e gostaria de começar com a seguinte pergunta: Hoje em dia muito se fala em controle emocional e sobre sua importância, afinal o que realmente significa ter controle emocional sobre algo?

Elaine Di Sarno: Significa ter habilidades psicológicas, porém, o desenvolvimento dessas habilidades psicológicas é um processo. É preciso ter foco para ter uma capacidade de controle em todos os momentos importantes da vida. É preciso treino para ter este foco, treino para saber lidar com pressão e isso não precisa ser feito sozinho, familiares e amigos podem ajudar, mas também precisam ser treinados, todos os envolvidos precisam ter treino para foco e concentração nas resoluções de problemas. Isso pode se dar por meio de coaching, terapia e o apoio em si de amigos e familiares.

Victor Hugo Cavalcante: Muito se reclamou da seleção brasileira não ter tido um controle emocional nos jogos desta copa (e do jogo do 7X1 contra a Alemanha em 2014), afinal quais as dicas que você enquanto psicóloga dá para quem quer ter controle emocional em momentos de pressão?

Uma dica é contar com a ajuda de familiares e amigos. É muito importante também estar em ambientes calmos e tranquilos em momentos que precedem grandes desafios e decisões, ambientes e pessoas e situações que te tranquilizem, e não o contrário! Além disso, é preciso muito treino naquela sua habilidade para que você se sinta mais confiante! Se é jogador de futebol, treine direitinho conforme o recomendado pelos treinadores e equipe, isso dará confiança em você mesmo, fará com que se sinta capaz. Isso vale para qualquer área de atuação, é o mesmo que o aluno que não estudou ir para a prova, com certeza ele não terá confiança porque não estudou como deveria, a falta de confiança certamente vai fazê-lo perder o controle emocional e aí fica muito mais difícil enfrentar um momento de pressão. Outra dica é realizar outras atividades paralelas que não te deixem estressadas, não importa qual atividade seja, mas que seja algo que te gere relaxamento, algo que te tire do ambiente que remete à situação de pressão.

Victor Hugo Cavalcante: Muito se fala hoje em dia em como podemos aprender e ensinar nossas crianças a lidarem com a derrota, mas e como um atleta pode lidar com a derrota diante de tanta pressão da torcida?

Antes de tudo é preciso entender que a derrota faz parte da vida. É preciso muito autoconhecimento para saber como lidar com a pressão e com as derrotas da vida e ter estratégias para lidar com isso. Na vida alguém tem que ganhar e alguém tem que perder, quando se tem ciência disso é mais fácil lidar com as derrotas. Trabalhar sempre com a expectativa da vitória gera reações até físicas em pessoas que não conseguem lidar com os próprios sentimentos, por exemplo, crises de ansiedade, suadouro, pressão baixa, dores de cabeça, entre outros. Desde criança precisamos ser expostos às derrotas também, se a criança cresce em um ambiente somente de vitórias, vai ser muito difícil lidar com a derrota no futuro. O papel da família é fundamental desde a infância, e, no futuro, as famílias podem ajudar a aliviar a angústia diante de uma derrota, ajudando a promover o bem-estar, propiciando esta sensação de acolhimento. 

Victor Hugo Cavalcante: Ainda falando em lidar com a derrota, é cada vez mais comum artigos explicando para os pais como fazerem seus filhos pequenos a lidar com derrotas, porque este aumento de ensinamentos? Seria mais pela consciência do emocional que há hoje em dia ou pelos mimos materiais cada vez mais frequentes dos pais de hoje em dia?

É por conta de querer um bem estar ao filho e entender que esse bem estar não está atrelado a mostrar um mundo só de vitórias (o que é falso) e mostrar um mundo sem problemas à criança, pois, lá na frente, as frustrações, derrotas, situações de pressão, serão inevitáveis, então, quando os pais têm essa consciência, buscam passar para seus filhos ensinamentos sobre como lidar com as derrotas também. 

Victor Hugo Cavalcante: Com tanta pressão da torcida o atleta pode sofrer com a chamada síndrome de super heroi quando sofre uma derrota? Nos explique mais detalhadamente sobre o que vem a ser esta doença.

A síndrome do super herói está atrelada àquele perfil de pessoa para quem não basta ajudar ao próximo, mas, sim, salvar pessoas, salvar o mundo! No caso de jogadores de futebol isso é bem comum, já que são figuras populares, que têm o poder de levar alegria a milhares de pessoas, de serem o "herói" de uma nação. Porém, essa auto cobrança pode ser prejudicial à própria carreira do atleta e de qualquer pessoa, altas cobranças podem gerar frustração.

Victor Hugo Cavalcante: A comissão técnica da seleção brasileira causou polêmicas ao decidir não levar psicólogo para lidar com seus jogadores nesta copa, você acredita que isto pode ter influenciado o modo de jogar do brasil na copa? Por quê?

Pode ter influenciado em como os jogadores lidam com uma situação de pressão, e, consequentemente, sim, pode ter afetado o desempenho final. O resultado vem a partir de um conjunto de fatores e não de um fator isolado, é preciso preparo físico, treino, habilidade, controle emocional, tudo junto vai compor um resultado positivo.

Victor Hugo Cavalcante: Qual o caminho para o Brasil ser um time "mentalmente forte" para conquistar a tão sonhada estrelinha do Hexa?

Como dito na pergunta acima, é um conjunto de fatores, portanto, acredito que o caminho seria olhar para todos os aspectos, físico, treino, saúde física, saúde mental, controle emocional, começar a olhar o todo e não só a parte!

Victor Hugo Cavalcante: Momentos como o choro do Neymar no jogo contra a Costa Rica e as lágrimas caindo do olho do uruguaio José Maria Giménez antes mesmo do jogo (Uruguai X França) terminar são demonstrativos do descontrole emocional por parte destes atletas? Por quê?

Não necessariamente, pois o choro pode ser apenas uma reação emocional, é o reflexo de uma emoção, mas não necessariamente de um descontrole, não chorar não significa que a pessoa tem controle emocional.

Victor Hugo Cavalcante: Atletas (Principalmente futebolísticos) sempre são criticados ao chorarem por "não terem motivos para isto" já que ganham muito, mas afinal há como comparar o choro de tristeza de um atleta pressionado com o choro de tristeza de um torcedor? Por quê? Quais as principais diferenças entre os dois momentos?

Cada choro é um choro, cada um em sua dor e cada um sabe da sua dor. Não dá para comparar, mesmo o jogador ganhando muito dinheiro, talvez aquele título em especial, o que significa para ele, fosse mais importante do que o dinheiro que ele ganha. E para o torcedor fanático, apaixonado, talvez seja uma frustração tão grande que afete seu emocional. As principais diferenças estão atreladas à individualidade da dor!