Indagações de um cidadão sobre o jogo das cadeiras

Créditos:

Ontem perguntei no Facebook: "Um ano após o impeachment e o que realmente melhorou para você?"

Saber qual a sensação das pessoas após esse um ano demonstra o porque continuamos com esse Governo, que não começou no impeachment, mas sim na eleição de 2014 que elegeu a chapa PT/PMDB com todas as suas irregularidades e crimes eleitorais.

O Governo continua primeiro porque o poder/dinheiro tem força de cooptar todos os poderes, inclusive o legislativo. Prova disso é o julgamento da chapa no TSE meses atrás. (Se não assistiu tem no youtube)

Continua também porque a compra dos parlamentares está mais viva do que nunca e não existe operação da polícia federal que vá parar, porque esse poder é institucionalizado. O Presidente e congresso tem força para fazer acordos, distribuir dinheiro entre seus apoiadores, mudar leis, direcionar mais dinheiro. As práticas são essas e a lógica é repetida na cultura institucional ao redor da federação, ou seja, acontece também na sua Câmara de Vereadores e Assembléia de Deputados.

Mas o que segura mesmo este Governo é a fé das pessoas, acreditar que as coisas estão melhorando e que a economia vai aquecer, que o emprego vai chegar, que agora vai, mesmo com malas de dinheiro, gravações e esquemas de corrupções explodindo todos os dias.

As coisas melhoraram também porque Congresso e Presidência destravaram, votações acontecem e isso acalma o mercado financeiro. E podem me corrigir se eu estiver errado ou trazer mais hipóteses, mas eu creio que crescimento econômico está bem atrelado a política no país não estar mais travada.

As bases do poder continuam e vão continuar jogando com a gente. Épocas de altas seguidas por crises, na medida que a gente sempre quer acreditar que as coisas vão melhorar, mas não podemos esquecer que o problema é estrutural e que, se não mudarmos realmente todo o processo democrático e reformarmos as instituições brasileiras, vamos continuar repetindo a nossa história (que não é das melhores para a maioria).