Sob a mira do Lobo Utópico #9

Créditos: Divulgação

The Good Place é uma série criada por Michael Schur, co-criador de Brooklyn Nine Nine (2013-presente) e Parks and Recreation (2009-2015), além de produzir, escrever e atuar em alguns episódios de The Office (2005-2013).

Ou seja, ele está diretamente envolvido no processo criativo de algumas das séries de comédia mais relevantes das últimas décadas, o que diz bastante sobre a qualidade da série a ser tratada aqui.

Aonde iremos quando nossas vidas chegarem ao fim? Será que teremos o número suficiente de boas ações para irmos ao lugar bom?

Ou será que não e iremos ao lugar ruim? Ou existe um lugar mediano para pessoas medianas?

É interessante nos fazermos essas perguntas, pois elas são as primeiras as saltarem aos olhos quando a história começa a ser contada na primeira temporada.

Contudo, à medida que a história evolui nas temporadas seguintes, nós vemos que The Good Place é sobre confrontarmos as nossas próprias dificuldades diante de complexos, e até mesmo corriqueiros, dilemas para nos tornarmos pessoas melhores.

E nós acompanhamos os nossos seis protagonistas se tornando tais pessoas ao longo das quatro temporadas, por meio das quais nos vinculamos a eles por terem suas personas tão bem construídas e humanas.

Esta é aquela série provocadora, os debates propostos te levam a refletir sobre as suas condutas pessoais e a existência da sociedade como um todo, mas, não se enganem, ela também é extremamente cômica e capaz de nos arrancar gostosas gargalhadas.

Para finalizar, a série está disponível na Netflix para vocês assistirem quantas vezes desejarem!

Sobre os autores

Edryenne, ou Dry, 25 anos, natural de Aracaju (SE) e Felippe, ou Lippe, 31 anos, natural de Curitibanos (SC) são o casal responsável pelo perfil Lobo Utópico.

O projeto é feito com muito carinho e dedicação, e atualmente morando em Aracaju o casal viaja por diferentes universos sempre que dão play em um filme!

Decidindo expandir e ao perceber que a marca anterior (DL6) e o conteúdo produzido já não os representavam tanto, e vendo que precisavam reformular, inovar e aproximar mais do que realmente desejavam produzir e das as afinidades e aptidões surgiu o Lobo Utópico.

Utópico nasce da atração do casal pelo quimérico, e que cresceram buscando o reino da fantasia como meio para conhecerem a si mesmos e a vida ao redor.

Sermos imaginativos está em nosso âmago. Lobo é a representação da selvageria, da avidez de ser, de criar, de viver a fantasia. Ele é a nossa força motriz.

Mudamos um pouco todos os dias, ainda que as mudanças sejam imperceptíveis, mas agora o Dry e Lippe desejam gritar ao pequeno mundo nesta rede: QUE ESTÃO MUDANDO E CHEGANDO!