Os sonhos e as vivências de F3

Créditos: Reprodução/Internet

Filipe Freitas Firmo, nascido no dia 07 de fevereiro de 1993, em Belo Horizonte, Minas Gerais e mais conhecido pelo nome artístico F3, é um cantor e compositor de rap.

F3 começou a ganhar notoriedade depois que lançou em 2013, seu primeiro CD independente intitulado Música é vida.

E hoje o artista que também é dono do selo Base 031 nos contou um pouco de seus sonhos e suas vivências de oito anos como rapper.

Victor Hugo Cavalcante: Primeiro é um prazer poder recebê-lo em nosso site, e gostaria de começar perguntando: Como surgiu a sua relação com a música e principalmente com o rap?

F3: O rap entrou na minha vida aos nove anos de idade quando me mudei para Santa Luzia, uma cidade na região metropolitana de Belo Horizonte.

Lembro-me de chegar ao prédio que morava e logo de início ver geral escutando rap, aquele disco do Racionais Nada como um dia após o outro dia com o tempo fui me aprofundando e conhecendo a cultura e todos os artistas revolucionários do movimento!

Victor Hugo Cavalcante: Uma de suas ultimas produções solos lançadas no Youtube foi em 2020 com o clipe da música Sonhos & Vivências, qual está sendo o feedback dos ouvintes à música e ao clipe e como surgiu a oportunidade de lança-lo?

O feedback até então está sendo muito positivo, vejo as pessoas assimilando muito bem a música e captando a mensagem que quero passar.

O clipe Sonhos & Vivências assim como quase todos os outros surgiram de uma parceria com a Graw Filmes do meu mano Walney que foi parte fundamental na construção de toda essa história!

Victor Hugo Cavalcante: Você é rapper e um dos donos do selo Base 031, conte-nos um pouco desta gravadora e sobre suas últimas produções lançadas.

A Base 031 nasceu com a proposta de despertar a consciência das pessoas, trazer o autoquestionamento, a grandeza do universo que pode estar dentro de você e levamos todas essas ideias através das músicas e produções.

Fico muito feliz de conseguir levar a mensagem exatamente da forma que eu queria, quando pensei na base, pensei exatamente da forma em que ela é hoje.

Sou espírita kardecista e há muito tempo sentia que precisava passar as mensagens nas músicas de acordo com minha crença e acredito que através da base venho conseguindo fazer isso!

Victor Hugo Cavalcante: Já em sua carreira na Base 031 o seu último lançamento foi o EP Se Encontre em Si Mesmo, conte-nos como surgiu as letras deste EP e o feedback dos ouvintes.

O EP surgiu de uma ideia minha e do meu irmão que é meu sócio e também integrante da Base 031 em fazer um trabalho que trouxesse a identidade do selo para o público.

Todas as composições nós fizemos juntos e como sempre tivemos um bom retorno da galera que já escutou o trabalho e ficamos muito felizes com o resultado.

Todas as faixas tiveram produção do meu mano Psicorapbeats que foi parte fundamental na criação deste trabalho!

Victor Hugo Cavalcante: O que nunca pode faltar em seus shows e nas letras das suas músicas?

Conscientização do público e muito calor humano, quando estou no palco parece que tudo se transforma, até mesmo eu. (Risos)

Victor Hugo Cavalcante: Como você consegue driblar a ansiedade antes de entrar nos palcos?

Cada show é de uma forma diferente, na verdade não tem como driblar a ansiedade, eu entro ansioso mais acabo me transformando no palco e deixo a energia do momento me conduzir!

Victor Hugo Cavalcante: Quantas músicas autorais e trabalhos audiovisuais você já possui e quem produziu os clipes?

De trabalhos lançados tenho quase 40 faixas, 24 clipes e a assinatura dos clipes ficam por conta da Graw Filmes e dois deles lançados por volta de 2015 fiz com um parceiro que estudou comigo!

Victor Hugo Cavalcante: Quais músicos que você mais se influencia e admira e no que eles te influenciam?

Mano Brown, Eduardo Taddeo, Dum Dum e as músicas do Facção Central, MV Bill, Gabriel o Pensador, Realidade Cruel, Inquérito, Emicida, Rashid, Projota e os que passam uma mensagem e fazem algo pra mudar o contexto em que estamos inseridos a tantos anos, isso que me influencia!

Victor Hugo Cavalcante: Quais as principais dicas que você dá para quem deseja algum dia se tornar rapper?

Estudar sobre música, entender que o rap também é música e uma música que tem o poder de conscientizar e pra chegar lá tem que ter foco, disciplina, correr muito atrás e acima de tudo ter fé e ser persistente!

Victor Hugo Cavalcante: Dentro do cenário brasileiro com o Rap, você costuma acompanhar algum artista com trabalho autoral? E sobre as estrangeiras, algum rapper que tenha lhe chamado a atenção?

Escuto muito os raps antigos, mas os atuais que tem me chamado atenção é o Mano Fler, Fábio Brazza e na gringa curto muito o Old School, também 2pac, 50 cent, Eminem, Kendrick Lamar e J Cole.

Victor Hugo Cavalcante: Hoje, por causa da pandemia, muitas artistas considerados independentes estão sofrendo com a falta de shows ao vivo, alguns ainda sobrevivem por meio de lives de seus canais oficiais e de outros canais de música, mas como a quarentena vem impactando a sua vida na carreira solo e no Base 031 em relação não somente aos shows, mas também às produções musicais?

Fomos convidados a fazer uma live pra lançar o EP Se encontre em si mesmo, mas estamos focando mais em criação.

A gente tá tendo um espaço maior pra criar, temos um estúdio em casa de onde saiu boa parte dos trabalhos já lançados, temos um rendimento pequeno das receitas digitais, mas ainda não dá pra viver só da música, tenho meu trabalho no transporte por aplicativo que auxilia demais no meio de todo esse processo!

Victor Hugo Cavalcante: Conte-nos um pouco sobre como é a representatividade do rap na região onde mora?

Cresceu muito com a ascensão do DV tribo no cenário nacional e o surgimento de artistas como o Djonga que hoje é referência do rap no Brasil.

Isso ajudou muito a cena mineira!

Victor Hugo Cavalcante: Quais são suas maiores inspirações para compor uma letra e sobre que tipos de assuntos são mais tratados nas letras de suas músicas?

Hoje em dia é o despertar da consciência, isso que tem me conduzido bastante, questões sociais também que são sempre fundamentais!

Victor Hugo Cavalcante: Qual foi o show mais fantástico de todos que você já fez?

Um show na cidade de Ouro Preto estava lotado demais e quando cantei Negro Drama do Racionais foi um dos momentos mais marcantes do show!

Victor Hugo Cavalcante: Conte-nos o que podemos esperar para os próximos trabalhos solos e na Base 031 além do que já foi comentado nas perguntas acima.

Tem um EP novo que estou preparando com previsão de lançamento para o final de 2021.

Estou bem empolgado com esse trabalho e a Base 031 não para, é dos estúdios da base que sai tudo e no futuro ainda planejamos uma união minha e do meu irmão novamente para um novo EP para continuar a saga do Se encontre em si mesmo.