Cultivo de plantas na época de estiagem traz benefícios à saúde

Créditos: Divulgação

A chegada da época mais fria do ano é somada com a menor quantidade de chuvas.

Esta condição traz a queda na umidade do ar, prejudicando, assim, a saúde respiratória.

O Sistema Nacional de Meteorologia (SNM) divulgou, em seu prognóstico para o inverno de 2021, um alerta de emergência hídrica por conta das baixas chuvas.

Desta forma, o brasileiro tende a buscar formas de diminuir os danos trazidos pela seca; e o cultivo com as plantas pode ser uma das saídas.

De acordo com o especialista em paisagismo e proprietário da Império dos Vasos & Flora, localizada em Sorocaba, Gerson Júnior, plantas como a Lança de São Jorge e a Zamioculca são ideais para ambientes domésticos, porque, além do tamanho reduzido, levando em consideração a verticalização das cidades, com moradias cada vez menores, a praticidade na hora do cuidado e o fácil manuseio são características buscadas pelos principiantes da área.

Outra questão importante quando se fala da urban jungle, tendência do paisagismo que busca trazer mais plantas para o ambiente doméstico, é sobre a tentativa de contenção da poluição nos centros urbanos, visto que um dado levantado pela Agência Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês), em maio deste ano, aponta que o nível de poluição atmosférica alcançou o maior nível em 63 anos.

Necessidade que virou tendência

A necessidade de ambientes que tenham maior qualidade no ar, fez com que arquitetos e paisagistas repensassem seus projetos, transformando as plantas em mais do que itens decorativos.

"É comum vermos nos projetos mais modernos, espaços voltados para acomodação de plantas, como a Palmeira Chamaedorea, por exemplo. Ela, em especial, ajuda a manter o ambiente mais fresco.", diz Gerson.

Outra espécie que pode ser aliada contra a baixa umidade é a Pacová.

Originária do Brasil, a planta se adapta facilmente ao nosso clima.

Ela, assim como outras, ajuda a limpar o ar, diminuindo a emissão de dióxido de carbono (CO2) e contribuindo para a umidificação do ambiente.

"Esse auxílio é possível pela absorção de água feita pelo seu caule e, também, pela transpiração natural que as plantas têm.", explica Gerson.

E como deve ser feito o cuidado das plantas no período de frio mais rigoroso?

Em via de regra, os cuidados com elas são parecidos.

"Com um pouco de atenção diária de seus donos, as plantas terão vida longa. Para essas espécies, eu recomendo colocá-las à meia sombra e com regas sem exagero. Um solo úmido é o suficiente para estas aliadas.", alerta Gerson.

Diferença na prática

Agora no inverno, problemas respiratórios se tornam uma preocupação, ainda mais em meio à pandemia.

Por isso, de acordo com gráficos atualizados pela plataforma Google Trends, a pesquisa por "plantas de inverno" teve uma forte alta no início da estação, batendo o pico de popularidade.

Mas longe de tendências de pesquisa da internet, estão pessoas que recorrem às plantas buscando mais qualidade de vida, como Marisa Cardoso.

Após se aposentar, ela investiu em plantas como um hobby.

"Na verdade, eu estava buscando algo para me entreter e que me aproximasse ainda mais da minha mãe; no entanto, no cuidado diário, sinto a minha saúde renovada.", diz.

E o benefício vai além da famosa frase "o verde acalma".

Marisa viu sinais claros de mudanças na saúde física da família, principalmente de sua mãe, Maria Aparecida, que hoje é cadeirante.

"Percebi que minha mãe respira melhor quando está perto das plantas e resolvi levar isso para a minha casa também.".

Hoje, ela tem pelo menos seis espécies de plantas, como suculentas, jiboias e o lírio-da-paz, que ela trata com bastante carinho.

"Quando temos plantas criamos vínculos e isso é um passo para a recuperação ou melhoria da saúde. Ter plantas só traz benefícios.", finaliza o especialista.